Gideões da CCB Livre de Religião.
Buscar
 
 

Resultados por:
 

 


Rechercher Busca avançada

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Dezembro 2017
SegTerQuaQuiSexSabDom
    123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Calendário Calendário

Estatísticas
Temos 1270 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de FABIOSGAR

Os nossos membros postaram um total de 1751 mensagens em 572 assuntos
Anuncios

    Não há anúncios disponíveis.


    Tópicos de Ensinamentos da CCB de 2.017.

    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

    Tópicos de Ensinamentos da CCB de 2.017.

    Mensagem por Fco Oliveira em Sex Ago 25, 2017 4:11 pm

    Expandir esta imagem


    REUNIÃO GERAL ANUAL DE ENSINAMENTOS 
    82ª A S S E M B L É I A
    R E S U M O D E  E N S I N A M E N T O S    2 0 1 7
    SÃO PAULO - 10 À 14 DE ABRIL DE 2017

    *1. VAIDADES E ILUSÕES DO MUNDO
    As vaidades e ilusões do mundo fazem as pessoas esquecer-se de Deus. Em I João 2:15 o apóstolo exorta dizendo: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele”. O amor do mundo ilude as pessoas com ocupações e distrações distanciando-as de DEUS.
    Por essa causa, Paulo exortava aos irmãos dizendo: “Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra” (Colossenses 3:1 e 2).




    *2. AMOR E TEMOR À DEUS
    Exortamos a nossa irmandade a aplicar-se ao conhecimento sobre o amor e o temor que se deve a Deus. Quem ama e teme à Deus é reverente, aborrece o mal e apega-se ao bem. Assim, haverá sempre a liberdade de estar perante Deus através da oração e súplica, tendo sempre a certeza de que, por Ele, será ouvido. O amor e o temor se manifestam através de nossa consciência, pois quando somos tentados a fazer o que contraria a sua Palavra, somos advertidos por nossa consciência a não ceder àquele sentimento e, assim, em nós se manifesta o amor e o temor a Deus.


    *3. ENFRAQUECIMENTO ESPIRITUAL
    O enfraquecimento espiritual ocorre quando há embaraços na vida da pessoa. Por isso Paulo exortava a Timóteo (2:4) dizendo: “Ninguém que milita se embaraça com negócios desta vida, a fim de agradar àquele que o alistou para a guerra”. Em Lucas 10:41 e 42 Jesus advertiu Marta quando foi recebido em sua casa, porque ela andava distraída e afadigada com muitas coisas. 
    E, respondendo Jesus, disse-lhe: “Marta, Marta, estas ansiosa e afadigada com muitas coisas. Mas uma só é necessária; e Maria escolheu a boa parte, a qual não lhe será tirada”. É assim que o enfraquecimento espiritual vem sobre os que se afadigam e se anseiam pelas coisas desta vida. Isso toma todo o seu tempo, não havendo mais espaço para a meditação nas coisas santas, nem tempo para oração, dificultando cada vez mais a sua comunhão com o Senhor. Por isso nota-se que há, em muitos, um desânimo, pois muitas congregações se esvaziam, faltam músicos e organistas, denotando um enfraquecimento espiritual. 
    É necessário que a irmandade não deixe de congregar, principalmente em suas comuns congregações, pois, ouvindo a Palavra de Deus, serão fortificados na fé e na graça do Senhor Jesus.



    *4. COMO CULTIVAR OS FRUTOS DO ESPÍRITO
    Cultivar os frutos do Espírito é conservar em si os bons sentimentos em Cristo Jesus. “Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai” (Filipenses 4:. É necessário ser fiel em tudo, para que haja liberdade e comunhão com Deus. Os que assim procedem são abençoados por Deus em seu viver e conservam em si a comunhão com Ele.


    *5. DAR GRAÇAS A DEUS
    É dever do povo de Deus em tudo dar graças a Deus, como instruiu Paulo apóstolo aos Efésios 5:20 que diz: “Dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo”.
    Pela manhã, ao levantar-se, antes das refeições, antes de sair de casa e ao deitar-se, é necessário orar, dando graças a Deus em tudo e pedindo suas Bênçãos. É bom que o casal ore junto, em todas as ocasiões, ensinando aos filhos a importância da oração.


    *6. ORAÇÃO E JEJUM

    A oração que se faz a Deus pela fé é a forma de alcançar o Seu favor. Em I Tessalonicenses 5:17 o apóstolo Paulo exortava aos irmãos dizendo: “Orai sem cessar”. Assim, temos o “...dever de orar sempre, e nunca desfalecer” (Lucas 18:1). A oração é o meio que Deus deixou para os fiéis falarem com Ele. Somos instruídos “...fazei tudo Em Nome do Senhor Jesus” (Colossenses 3:17). “E tudo quanto pedirdes em meu nome, eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho” (João 14:13). Em situações difíceis, através do jejum, o crente pode alcançar maior comunhão para ser atendido, pois muitos são os exemplos dos que serviram a Deus no passado e que em suas necessidades recorriam a essa prática, alcançando assim o favor de Deus. O jejum significa abstinência total ou parcial de alimentos em determinado período de tempo, onde esse tempo é definido somente pela pessoa que jejua. Em Mateus 6:16, disse Jesus: “E quando jejuardes, não vos mostreis contristados como os hipócritas, porque desfiguram os seus rostos, para que aos homens pareça que jejuam. 
    Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão”. O jejum não deve ser visto como um sacrifício, pois o último sacrifício segundo a lei mosaica foi cumprido por Jesus Cristo na cruz. 
    O jejum é uma forma de santificação pessoal e é recomendado pelo Senhor Jesus e também por seus apóstolos. Em Mateus 17:21, Jesus adverte aos discípulos dizendo: “Mas esta casta de demônios não se expulsa senão pela oração e pelo jejum”. Em Lucas 5:35 diz: “Dias virão, porém, em que o esposo lhes será tirado, e então, naqueles dias, jejuarão”.

    Os santos homens de Deus no passado praticaram o jejum para dar cumprimento as suas missões, como se pode verificar em Atos 13:2, “E, servindo eles ao Senhor e jejuando, disse o Espirito Santo: Apartai-me a Barnabé e a Saulo, para a obra que os tenho chamado. Então, jejuando, e orando, e pondo sobre eles as mãos, os despediram”. Em II Coríntios 11:27, Paulo apóstolo afirma que “...em fome e sede, em jejum muitas vezes, em frio e nudez”. Assim, temos o dever de orar sempre e nunca desfalecer, e quando necessário, podemos jejuar, pois isso não contraria a vontade de Deus, ao contrário, nos faz mais consagrados a Ele.


    *7. COSTUMES DO MUNDO ATUAL
    Os costumes do mundo atual devem ser analisados sob a Luz da Palavra de Deus, pois ainda que tudo seja lícito, nem tudo pode ser conveniente. Um dos exemplos é a forma inadequada da vestimenta com que algumas irmãs e ou irmãos se apresentam. Isso é desagradável a Deus. O Ministério aconselha as irmãs e irmãos, tanto solteiros quanto casados, a que procurem adequar-se à sã doutrina, não se conformando com os costumes do mundo atual, mas servindo a Deus com temor a fim de serem por Ele abençoados.


    *8. CASAMENTOS E OUTRAS FESTAS
    Sabemos que em casamentos e outras festas celebradas por pessoas estranhas à nossa fé, realizam bailes, inclusive aqueles que são chamados de “baladas”, onde, com auxílio de bandas ou
    músicas eletrônicas altissonantes, dançam a luzes pulsantes e coloridas, levando o ambiente a uma penumbra (meia luz). 
    O Ministério exorta nossa irmandade a não proceder assim, pois isso é contrário à Palavra de Deus.



    *9. VÉUS COLORIDOS E COM PEDRARIAS (Repetição do Tópico 5 de 2014)
    Novamente apresentamos este ensinamento quanto à inconveniência do uso de véus diferentes daqueles que sempre foram usados pelas nossas irmãs. Em muitas localidades estão surgindo véus diferentes do que as irmãs sempre usam. 
    São véus com rendas enormes, véus especiais para organistas
    contendo notas musicais, véus enfeitados com pedras, pérolas e miçangas e até véus de cores diferentes que não são totalmente brancos. 
    Em algumas localidades há véus com figuras de pássaros e outros desenhos. Lembramos as nossas irmãs que véus não são objetos de adorno pessoal, mas sim, uma demonstração de obediência a Deus. Portanto, devemos permanecer na simplicidade que sempre tivemos, desde o princípio da Obra de Deus.



    *10. SAUDAÇÃO COM ÓSCULO SANTO (Repetição do Tópico 10 de 1999)
    A palavra de Deus determina a saudação com ósculo santo (Romanos 16:16 e I Pedro 5:14). Deve ser dado com apenas um ósculo, “...entre irmãos, ou entre irmãs, de per si”. (Convenção de 1936). Outros procedimentos não estão de acordo com os ensinamentos que sempre tivemos desde o princípio. São
    costumes do mundo que devem ser eliminados



    *11. BARBA CRESCIDA E OU CAVANHAQUE (Repetição do Tópico 9 de 2014)
    Aconselhamos nossos irmãos, inclusive seus filhos, que não é conveniente aos nossos princípios o uso de barba crescida e nem cavanhaque, como também os cabelos penteados de forma exótica.
    Quanto aos recém chamados na graça, aguardemos que o Senhor faça a obra. A saudação com ósculo santo em um rosto com barba crescida torna-se incômoda, tendo em vista a recomendação da Palavra: “...Saudai-vos uns aos outros com santo ósculo” (Romanos 16:16). O Ministério reprova o uso desse costume. 
    Quanto aos irmãos que ocupam cargos ou Ministérios, apresentando-se assim, serão advertidos a enquadrarem-se neste ensinamento e, se persistirem, deverão deixar o seu cargo ou Ministério, pois essa é a disciplina da Congregação Cristã no Brasil, conforme os tópicos já anteriormente aprovados em Reuniões Gerais Anuais de Ensinamentos, os quais têm força estatutária. (Art.44 do Estatuto da Congregação Cristã no Brasil).



    *12. CUIDADO QUANTO AOS FILHOS MENORES
    Aconselhamos aos pais quanto aos cuidados que devem ter com os filhos menores, pela aproximação de pessoas maiores e desconhecidas que podem trazer-lhes presentes e agrados, pois tem sido notório que algumas crianças foram vítimas de abusos por parte dessas pessoas. É bom evitar que seus filhos menores frequentem casas de vizinhos, pernoitem em casas de outras pessoas, salvo se for familiar e de confiança, evitando assim que haja oportunidades para esse tipo de agressão. Orientamos também aos pais que servem a Deus nessa graça, a que instruam seus filhos, ainda quando criança, a se acostumar com roupas que não exponham seus corpos, pois isso certamente os fará conhecer o pudor que a Palavra ensina como disse Paulo aos Efésios 6:4 “...mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor”. Quanto aos adolescentes, observar sempre seu comportamento. É sabido que o quarto onde dormem, pode ser o local apropriado para o seu desvirtuamento, tendo em vista meios de comunicação fáceis e que por eles acessam todo tipo de sites, os quais podem deturpar sua conduta, podendo até levá-los à grande imoralidade e alguns até a mudança de seu gênero natural. É necessário vigiar sobre seus filhos, tratando-os com amor e carinho a fim de não perde-los para o mundo. Conheçam seus hábitos, procurem conhecer os sites que acessam, aplicativos utilizados, fotos que fazem e as que enviam e recebem. Quem são seus contatos, se conhecidos ou estranhos, assim poderão evitar algum aborrecimento e tristeza no futuro. Havendo alguma mudança de comportamento, procure conhecer as razões, pois podem estar sob influência de pessoas estranhas ou sites que podem alterar seus costumes. É melhor ensinar do que proibir.


    *13. REUNIÕES DE JOVENS E MENORES – ALERTA AOS PAIS
    O Ministério aconselha aos pais a levar seus filhos às Reuniões de Jovens e Menores. Tem-se notado que há um grande descuido quanto a essa necessidade. Esclarecemos à irmandade a importância de levar seus filhos a essas Reuniões, pois será de grande utilidade em suas vidas. O futuro de nossas crianças e jovens depende de sua formação espiritual que poderá obter frequentando as Reuniões, onde aprenderão a servir a Deus. Instruímos também aos pais a dar mais atenção aos filhos, dedicando-se ao ensino das escrituras, auxiliando-os quanto a decorar os versículos para depois recitar nas Reuniões. 
    Por isso diz a Palavra: “Instrui ao menino no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele” (Provérbios 22:6).



    *14. SEITAS E CRIATURAS (Referencia Tópico 22 de 1970)
    Não é conveniente chamar as denominações evangélicas de seitas e nem falar contra. Também não se deve mencionar nomes de denominações evangélicas durante celebração do Santo Culto. Ao anunciar a Graça às pessoas, não dizer palavras que venham a atacar as demais denominações religiosas.
    Seitas são doutrinas religiosas formadas por grupo de pessoas dissidentes e, se não eram nossos irmãos, não devemos chamá-los de “sectários”. Também não dizer “seitários”, pois essa palavra não consta em nosso dicionário, e não os chamar de “criaturas” e nem “futuros irmãos”. Podemos dizer “pessoas de outras denominações” ou, simplesmente “testemunhadas”.



    *15. PUBLICAÇÕES DE PALAVRAS E OU CONSELHOS GRAVADOS NOS CULTOS
    A gravação da Palavra, conselhos e quaisquer atos praticados durante o santo culto, bem como a sua postagem em sites sem autorização expressa dada por aquele que ministra, constitui
    desobediência aos ensinamentos ministrados ao povo, além de ferir a Constituição de 1988, em seu Art. 5º inciso X, e o Art. 7º da Lei 9.610/98 que protege especificamente as pregações religiosas. Assim, o Art. 29 da mesma Lei determina que a utilização (gravação, filmagem e ou postagem) “...depende de autorização prévia e expressa do autor”. Portanto, instruímos a nossa irmandade a usar de prudência, pois essa prática implica em grave violação legal àquele que durante os santos cultos grava, filma e também posta em sites, sem a devida autorização do autor. A extensão do dano é ainda maior em se tratando da exposição do servo de Deus que ministra os cultos, às criticas das pessoas que através dos sites, tomam conhecimento e banalizam a pregação da santa Palavra de Deus. É sabido que vários servos de Deus do Ministério procuram orientação jurídica visando a exclusão e bloqueio de acessos a conteúdos postados em sites da internet, que envolvem áudios e vídeos de pregações, exortações e conselhos feitos durante os serviços de santo culto celebrados nas Congregações, sem, contudo, haver autorização expressa dos autores (Anciães, Cooperadores do Oficio Ministerial e ou de Jovens e Menores).



    *16. USO DA INTERNET
    Com a evolução da internet, através das diversas ferramentas colocadas à disposição das pessoas, atualmente todos têm possibilidades de propagar notícias, opiniões, críticas e pensamentos, o que tem possibilitado que pessoas sem nenhuma certeza e conhecimentos e outras mal intencionadas possam divulgar opiniões pessoais e informações a respeito de qualquer assunto e de qualquer pessoa, mesmo sem um mínimo de conhecimento, outros escrevem com a intenção de difamar e ainda outros escrevem a com a intenção de desvirtuar a verdade e fé que existe naqueles que servem a Deus. Na santa intenção de prevenir a irmandade, o Ministério aconselha a não se dar credibilidade a essas informações, notícias ou opiniões sobre a Congregação Cristã no Brasil, sobre Servos de Deus, sobre questões de nossa doutrina e ainda sobre testemunhos, pois é grande a possibilidade de se estar contaminando com mentiras ou questões sem nenhuma serventia para a salvação, muitas vezes causando inquietação e duvidas na irmandade. O Senhor nos ensinou a não estarmos inquietos com coisa alguma, antes elevarmos a Ele, as nossas preocupações pelas nossas petições. A Congregação Cristã no Brasil não se serve dos instrumentos da internet para qualquer tipo de propaganda ou comunicação com a irmandade, servindo-se, como sempre fez, de Circulares assinadas pelo Conselho de Anciães Mais Antigos ou Tópicos de Ensinamentos publicados por ocasião das RGE – Reuniões Gerais Anuais de Ensinamentos.


    *17. CONSTRUÇÕES – GRUPOS DE IRMÃOS (Repetição do Tópico 07 de 2011)
    Grupos de irmãos que se propõem a construir casas de oração em outras cidades e ou Estados deve dirigir-se, primeiramente, aos servos que atendem aquela região e à respectiva Administração, fornecendo todos os detalhes, tais como, dimensão do templo, capacidade de lotação, forma construtiva, etc. É necessária a verificação da documentação da propriedade da área, bem como a documentação legal exigida pelos órgãos públicos competentes, conforme orienta o parágrafo único do Art. 32 do Estatuto da Congregação Cristã no Brasil.


    *18. PROCEDIMENTOS E UNIFORMIDADE NAS COLETAS EM TODO PAIS
    Conforme ensinamentos antigos e também para estarmos de acordo com o Estatuto da Congregação Cristã no Brasil, comunicamos ao Ministério e irmandade que conforme o Art. 7º menciona, as receitas da Congregação Cristã no Brasil são auferidas exclusivamente por coletas e ofertas voluntárias e anônimas. A irmandade, para cooperar, deve orar a Deus e contribuir conforme as finalidades, que são: CONSTRUÇÃO E COMPRA DE TERRENO, PIEDADE, VIAGENS MISSIONÁRIAS,
    MANUTENÇÃO E ESPECIAIS, quando aprovadas pelo Ministério, na RRM – Reunião Regional Ministerial.
    A irmandade deve ser livre para cooperar nas coletas conforme as finalidades, em qualquer dia de culto do mês. Não deve haver listas com marcação de nomes e valores para pagamento posterior e as coletas deverão ser depositadas exclusivamente nas caixas coletoras existentes nas casas de oração. 
    A contribuição nas coletas poderá ser feita através de deposito na conta corrente da Congregação Cristã no Brasil. As informações de banco, agência, conta e CNPJ, estarão afixadas nas caixas coletoras de coletas. Após o depósito deverá ser entregue cópia do comprovante (no envelope) com a destinação dos valores ofertados.



    *19. SOCIEDADES SECRETAS (Referencia Tópico 14 de 2014)
    A participação em sociedades secretas caracteriza incompatibilidade com a fé e Graça do Senhor Jesus. Havendo alguém que exerça Ministério ou cargo na igreja e pertença alguma dessas sociedades, será afastado do Ministério ou do cardo que ocupa, conforme Art. 9º inciso VII do Estatuto da Congregação Cristã no Brasil.
    avatar
    Fco Oliveira
    Admin

    Mensagens : 1364
    Reputação : -1
    Data de inscrição : 13/07/2009
    Idade : 55
    Localização : Catanduva São Paulo

    http://gideoes-ccb.forumeiros.com

    Voltar ao Topo Ir em baixo

    Re: Tópicos de Ensinamentos da CCB de 2.017.

    Mensagem por Fco Oliveira em Sex Ago 25, 2017 4:12 pm

    ATENÇÃO: OS TÓPICOS A SEGUIR SÃO SÓ PARA O MINISTÉRIO


    20. DISCIPLINA MINISTERIAL

    O exercício do Ministério pelos servos de Deus deve ser guiado pelo Espírito Santo seguido de
    um conjunto de regras que disciplinam a sua conduta tanto na realização dos serviços ministeriais,
    quanto em sua vida particular. Quando se trata de atendimento aos serviços divinos, deve haver cuidado
    em tudo, como disse Paulo em I Timóteo 4:16 “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina: persevera nestas
    coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem”. É necessário vigiar
    sempre, tendo cuidado com a forma de se manifestar perante o povo, tanto no falar como todos os
    procedimentos. Evitar palavrar impróprias, gírias, brincadeiras, imitar pessoas, gesticular em demasia,
    pois isso torna desprezível a sua pregação, além da quebra da fidelidade à doutrina ou a disciplina,
    conforme o Art. 9º, inciso VII do Estatuto da Congregação Cristã no Brasil.

    21. O CUIDADO COM A DOUTRINA

    Temos perante Deus e o povo o dever de cuidar da doutrina, seguindo os exemplos dos apóstolos
    pela nossa persistência em exortar e ensinar a desviar-se do pecado. É necessário observar o que disse
    Paulo em II Timóteo 2:15 “Procura apresentar-te a DEUS aprovado, como obreiro que não tem de que se
    envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade”. A aprovação do servo de Deus é necessária, e, em
    II Timóteo 4:3 e 4 diz: “Porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos
    ouvidos, amontoarão para si doutores conforme suas próprias concupiscências; E desviarão os ouvidos
    da verdade, voltando às fábulas”. Assim se cumpre o que disse Jesus em Mateus 24:15, “Quando pois,
    virdes que a abominação da desolação, de que falou o profeta Daniel, está no lugar santo; quem lê,
    atenda”

    22. INFLUÊNCIA DA SABEDORIA HUMANA NA VIDA ESPIRITUAL

    Aquele que se apoia na sabedoria humana é impedido de aceitar as coisas que são reveladas pelo
    Espírito Santo, que não podem ser comparadas com as coisas da vida terrena, porque elas se discernem
    espiritualmente. Por isso o apóstolo exortava os irmãos de Corinto dizendo “A minha palavra, e a minha
    pregação, não consistiu em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de
    Espirito e de poder, para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria dos homens, mas no poder de
    Deus” (I Coríntios 2:4 e 5). A sabedoria humana leva a pessoa a alcançar seus objetivos nesta vida
    presente. Essa é a razão pela qual alguns utilizam e suas pregações, palavras onde o ouvinte é
    convencido por aquilo que ouve, crendo que é de Deus, apoiando-se na eloquência e não no poder de
    Deus. Isso ocorre quando o pregador emprega recursos que não vem de Deus tais como, gesticular e dar
    brados e gritos, pulos, golpes sobre a bíblia e a tribuna, afasta-se da tribuna e bate na parede e fala
    palavras em línguas estranhas, recursos empregados para demonstração do poder de Deus, os quais
    demonstram claramente que são manifestações carnais. Por isso o Senhor ordenou a Ezequiel a
    repreender os profetizadores que alimentavam o povo com falsas esperanças, dizendo: “Veem vaidade
    e adivinhação mentirosa os que dizem: O Senhor disse; quando o Senhor os não enviou; e fazem que se
    espere o cumprimento da Palavra. Não vedes visão de vaidade, e não falais adivinhação mentirosa,
    quando dizeis: O Senhor diz: sendo que eu tal não falei” (Ezequiel 13:6 e 7). Podemos afirmar que tais
    pregações são frutos de imaginação do pregador e não inspiração do Espírito de Deus. Essa prática
    leva o homem cada vez mais longe de Deus, ainda que, confiando e esperando n’Ele. Isso tem provocado,
    em muitos, murmurações contra a Palavra de Deus em virtude daquilo que veem, ouvem e creem,
    porém não alcançam.

    23. EXORTAR E DOUTRINAR

    Para a exortação da Palavra é necessário fazer a leitura completa de um parágrafo e ou capítulo
    da Escritura e não apenas de um verso. Em I Timóteo 4:13, diz: “Persiste em ler, exortar e ensinar até
    que vá”. Essa exortação deve ser relacionada com o que foi lido, apresentando esclarecimento e ensino
    de maneira afável, usando de misericórdia, pois a Palavra de Deus não só esclarece e ilumina o caminho,
    como também edifica e consola os corações. Por isso Paulo apóstolo escreveu a Timóteo dizendo: “Toda
    a escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir
    em justiça” (II Timóteo 3:16). Pela fragilidade do ensino, nota-se que em muitos lugares há heresias,
    dissensões e contendas provocadas pelos erros e falsos ensinos pregados ao povo, mesclados com
    misticismos e visões proféticas que aterrorizam os ouvintes. Isso se observa nas pregações onde os
    pregadores manifestam visões de anjos e de espíritos durante a exortação, além de propagarem, com
    frequência, o nome do adversário. Pregam libertações de forma geral, profetizam prosperidade na vida
    terrena, deixando o precioso tempo que é destinado ao anúncio do Evangelho de Cristo para salvação,
    através de sua morte, ressurreição e vida eterna. Assim exortamos os servos de Deus a dedicarem-se
    mais ao conhecimento do Santo Evangelho que consiste na leitura da Sagrada Escritura, cuja finalidade
    é a salvação das almas.

    24. LEITURA DA BÍBLIA SAGRADA

    Pela leitura da Bíblia Sagrada vem o conhecimento para a salvação, pois nela está contida a
    Palavra de Deus. Porém, a falta de conhecimento pode levar ao erro. Por isso quando o Senhor Jesus foi
    interrogado pelos saduceus sobre a ressurreição, respondeu-lhes: “...Errais, não conhecendo as
    Escrituras, nem o poder de Deus” (Mateus 22:29). O conhecimento das Escrituras não deve ser
    confundido com o que Paulo disse em II Coríntios 3:6 “... novo testamento, não da letra, mas do espírito,
    porque a letra mata, e o espírito vivifica”. Paulo não se referia ao conhecimento especifico da lei, mas à
    obediência da lei do antigo testamento, pois em Romanos 3:20 está escrito: “Por isso nenhuma carne
    será justificada diante dele pelas obras da lei, porque pela lei vem o conhecimento do pecado”; e no
    verso 28 diz: “Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei”. Assim, é dever
    de todos a leitura e meditação dos textos contidos na Escritura Sagrada, principalmente no Novo
    Testamento.

    25. FAMA DOS PREGADORES

    Os pregadores se tornam famosos quando fazem pregações com sublimidade de palavras
    persuasivas que atraem admiradores entre o povo, fazendo-os seus seguidores. Essas pessoas preferem
    esses movimentos em detrimento do ensino do verdadeiro Evangelho de Jesus Cristo que consiste
    exclusivamente em nossa salvação. Fazem discípulos que os apoiam e esses exigem dele cada vez mais
    essas demonstrações que são verdadeiras apresentações carnais. Tais pregadores amam a fama e não
    se conformam em permanecer em seus lugares, tendo necessidade de atender chamamentos para a
    demonstração de seus dons e virtudes a fim de se tornarem famosos. Assim, expõe-se ao perigo de
    atraírem a multidão a si, desviando-se do verdadeiro motivo que é levar o povo a Cristo. Os que assim
    procedem, apropriando-se da glória de Deus, havendo que dar contas das suas obras que são infrutuosas
    diante de Deus.

    26. EXERCÍCIO DO MINISTÉRIO

    Referindo-se ao tópico anterior, é dever do Ministério dos Anciães mais antigos buscar a luz de
    Deus para instruir com mansidão, tanto aqueles que apreciam essa forma de apresentação quanto aos
    pregadores que assim procedem e que resistem. A instrução poderá leva-los ao arrependimento para
    conhecerem a verdade. “E tornarem a despertar, desprendendo-se dos laços do diabo, em que a vontade
    deles estão presos” (II Timóteo 2:26). Assim, os servos de Deus serão cumpridores do seu dever, ainda
    que inúteis, contudo serão achados servindo ao Senhor em toda a justiça, pois disse o Senhor Jesus:
    “Porque vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis
    no reino dos céus”. (Mateus 5:20)

    27. CABELO CRESCIDO – VÉU – SINAL DE PODERIO – ESCLARECIMENTO QUANTO AO QUE


    VEM MENCIONADO NAS ESCRITURAS: PERANTE DEUS, PERANTE OS ANJOS E PERANTE

    O VARÃO (Repetição do Tópico 25 de 1986)
    O cabelo crescido foi dado à mulher em lugar do véu. Não para que ela deixe de usar o véu. O
    véu ela usa para orar a Deus e estar presente nos santos serviços. O cabelo crescido foi lhe dado em
    lugar de véu, mas em relação ao varão. Em I Coríntios 11:10 está escrito: “Portanto a mulher deve ter
    sobre a cabeça sinal de poderio, por causa dos anjos”

    28. REUNIÕES DE JOVENS E MENORES - FREQUÊNCIA

    É dever do Ministério, aconselhar aos pais a levarem seus filhos às Reuniões de Jovens e Menores.
    Tem-se notado que há um grande descuido quanto a essa necessidade. Devem esclarecer à irmandade
    quais os frutos que eles alcançam nessas reuniões, pois o futuro de nossas crianças e jovens depende de
    sua formação espiritual que poderão obter frequentando as Reuniões, onde aprenderão a servir a Deus.
    É bom também que os Anciães e Cooperadores do Oficio Ministerial instruam os pais a dar mais atenção
    aos filhos, dedicando-se ao ensino das escrituras, auxiliando quanto a decorar os versículos para, depois,
    recitarem nas Reuniões. Sempre que possível é bom que o Ministério dos Anciães e ou Cooperadores do
    Oficio Ministerial estejam nessas Reuniões, pois isso contribui para um bom relacionamento ministerial.

    29. AUXILIARES DAS REUNIÕES DE JOVENS E MENORES

    Tem-se observado que há necessidade de haver reuniões com os auxiliares de Reuniões de
    Jovens e Menores, pois isso contribui e instrui toda a forma de seu atendimento. É dever do Ministério
    observar essa necessidade e o servo que atender essa reunião deverá instruir os auxiliares quanto à sua
    conduta não só no momento da Reunião quanto fora também. A forma de aconselhar esses jovens deve
    ser com paciência e amor, possuindo maneiras adequadas para dar instruções e conselhos, mostrando-lhes
    que, para o exercício de seu dever na Reunião, devem ser tratáveis com os demais, carinhosos (as)
    com as crianças, cheios de paciência e amor.


    30. UNIÃO DE CORPOS ANTES DO CASAMENTO
    Aqueles que assim procederem não deverão orar ou testemunhar e nem chamar hinos nos cultos,
    e sendo músicos ou organistas, também não deverão tocar. Se tiverem algum cargo na Obra de Deus,
    serão afastados. Alguns desses casais, depois de um certo tempo, pedem ao Ministério a reconsideração
    de seus casos. Após alguns anos, o Ministério poderá reconsiderar o assunto. Não se pode estipular o
    número de anos, mas exortar a que o Ministério se deixe guiar por Deus, acompanhe a vida do casal e
    deixe passar os anos para que sintam o peso do que fizeram. Irmãos ou irmãs nessas condições não
    poderão ser indicados para nenhum Ministério ou cargo que dependa de confirmação em oração.


    31. AJOELHAR PARA ORAR EM FUNERAIS E HOSPITAIS
    A forma de oração no Serviço Divino em Funeral, Hospital e ou UTI depende da convicção daquele
    que preside e ou faz a visita. Ajoelhar-se em velórios, depende do local onde o corpo está sendo velado.
    Há locais em que o velório apresenta condição de higiene, outros que possuem até local para serviço
    religioso, com genuflexórios, cadeiras e púlpito para realizar culto. Nesses casos, a oração deve ser feita
    ajoelhados. Porém, existem situações em que o velório é pequeno e a multidão é grande,
    impossibilitando ajoelhar-se. Há situações em que há necessidade de expor o corpo em local fora e
    inapropriado, em gramados ou pátios sobre piso irregular; outros onde o velório não oferece condição
    de higiene. Nesses casos, expor as nossas irmãs a essa condição, não é aconselhável, uma vez que elas
    não possuem nenhuma proteção aos seus joelhos, podendo infectar-se pela exposição insalubre do local.
    O mesmo também ocorre em hospitais, principalmente em UTI, onde o nível de contaminação
    bacteriológica é extremamente alto e quem ora ajoelhado expõe-se a essa contaminação. Nesses casos,
    a oração se fará em pé, pois Deus conhece todas as coisas. Para se orar a Deus ajoelhado depende do
    local e momento em que estamos, pois nas Sagradas Escrituras há exemplos dessa natureza. Quando
    Jesus orou estando à porta do túmulo de Lázaro, não se ajoelhou, apenas levantou seus olhos aos céus.
    (Evangelho de João 11:41), também quando orou por seus discípulos, (Evangelho de João 17:1), apenas
    levantou seus olhos aos céus, sem contudo, ter se ajoelhado. Ezequias também, estando deitado em sua
    cama, apenas virou-se para a parede e orou (Isaias 38:2). Igualmente Jonas, orou ao Senhor, seu Deus,
    das entranhas do peixe (Jonas 2:1). A oração que se faz dentro do tanque de batismo também se faz em
    pé.


    32. BUSCAR OS DONS DE DEUS
    Não obstante os tópicos existentes, muitos continuam não obedecendo; marcam cultos de busca
    de dons, onde há gritaria, barulho e manifestações estranhas à sã doutrina. Em face disso, delibera-se o
    seguinte ensinamento: “O Ministério deve exortar a irmandade a buscar mais os dons de Deus e a
    promessa do Espírito Santo com o dom de novas línguas. Quando Deus fizer sentir àquele que estiver
    presidindo, na última oração, a irmandade poderá permanecer um pouco mais de tempo ajoelhada (não
    em todos os cultos, mas periodicamente), aguardando a promessa do Espírito Santo com o dom de novas
    línguas e os demais dons de Deus” sem, contudo, agendar e divulgar previamente.


    33. ACONSELHAMENTO PARA CASAIS
    Sabemos que sempre há entre a irmandade casais que passam por dificuldades na vida conjugal.
    Quando o servo de Deus sentir, deverá aconselhar a toda irmandade quanto à vida conjugal e
    tratamento com os filhos, podendo fazê-lo durante o tempo dos testemunhos e isso certamente trará
    benefícios a todos. Para tanto, não se deve anunciar previamente, porém quando o Senhor fizer sentir,
    procurando orientá-los quanto à caridade fraternal, ao temor a Deus, a paciência e humildade.


    34. APRESENTAÇÃO DE SERVOS PARA O MINISTÉRIO NO EXTERIOR
    Apresentação de servos para o exercício de Ministério na Obra de Deus no exterior deve ser
    somente para aqueles que tenham visto permanente naquela nação. Aqueles que não possuem esse
    visto, não devem ser indicados para Ministérios e nem cargos na Obra de Deus. Caso alguém que possua
    Ministério ou cargo voltam à sua nação de origem, não devem pleitear lugar para atendimento
    ministerial. O aproveitamento para um possível Ministério no Brasil dependerá da consideração à ser
    feita pelo Conselho dos Anciães mais Antigos do Brasil, reunidos em São Paulo. Alertamos que para a
    apresentação de irmãos para quaisquer Ministérios ou cargos em outra nação, deverá ser feita profunda
    analise sobre a vida pessoal em seu lugar de origem, inclusive em outros lugares por onde viveu,
    evitando assim a apresentação de pessoas que possuíam algum impedimento quanto ao seu
    testemunho.


    35. SERVOS QUE VIAJAM NO BRASIL E AO EXTERIOR
    O Conselho dos Anciães mais Antigos do Brasil, reunidos em São Paulo, reitera através deste
    tópico, os ensinamentos diversos dados ao longo dos anos sobre viagens de atendimento na Obra de
    Deus que são feitas aqui no Brasil deverão ser comunicadas às Reuniões Regionais Ministeriais e ou
    Setoriais e, se for ao exterior, deverão ser apresentadas ao Conselho dos Anciães mais Antigos do Brasil,
    reunidos em São Paulo, os quais analisarão se serão submetidas à oração ou somente consideradas. Os
    que infringirem esta recomendação serão chamados para aconselhamento.


    36. CASAS DE ORAÇÃO – ABERTURA – REABERTURA - OFICIALIZAÇÃO
    (Referência aos Tópicos Administrativos 3 e 4 de 2006)
    Os serviços de abertura, reabertura ou oficialização de casas de oração só se farão após
    aprovação em Reunião Regional Ministerial, devendo ser acompanhados do parecer da Administração
    que, previamente, analisou todos os documentos, inclusive se são imóveis alugados ou cedidos e, neste
    caso, deverá previamente, possuir a permissão de uso do (s) proprietário (s) do imóvel com a (s) firma
    (s) reconhecida (s). Em todos os casos acima citados devemos obter as devidas permissões dos órgãos
    públicos e a documentação constante no Manual Administrativo.


    37. EXTINÇÃO DE CASA DE ORAÇÃO, CULTOS E OU REUNIÃO DE JOVENS E MENORES
    Em caso de extinção de uma Casa de Oração, cultos e ou Reunião de Jovens e Menores, por
    deliberação do Conselho de Anciães em uma RRM – Reunião Regional Ministerial, os ocupantes de
    Ministérios e Cargos pertinentes àquela Casa de Oração, serão destituídos automaticamente no ato de
    extinção da mesma.


    38. PADRÃO CONSTRUTIVO DAS CASAS DE ORAÇÃO
    Tendo havido grande preocupação do Ministério com respeito às construções de casas de oração
    a fim de atender as necessidades do povo que, em muitas localidades, sofrem pela falta de acomodação.
    É dever do Ministério observar onde há essas necessidade e procurar junto à Administração, meios para
    construir as casas de oração, conforme padrões constantes do Manual de Construções estabelecido pela
    Administração. Quanto a construção de grandes casas de oração, temos observado que em alguns
    lugares houve muito exagero na aplicação dos materiais de acabamento, tornando essas casas de oração
    um local suntuoso e de luxo, condição de demonstra uma desigualdade, pois o povo de Deus é um só,
    não devendo haver essa desigualdade. Referimo-nos também quanto ao padrão construtivo que aos
    poucos se tem deixado de seguir, pois há lugares em que além de ignorarem o padrão quanto ao
    tamanho, formas e tipologia construtiva, aplica também cores diferentes na pintura, ignorando as
    recomendações disciplinares já conhecidas e existentes no Manual da Construção. Assim, o Ministério
    reprova essa prática que é usada por alguns que agem na Obra de Deus com essa vaidade, pois
    certamente isso não é agradável a Deus.


    39. ORAÇÃO PARA NOVOS OBREIROS – ANCIÃES E DIÁCONOS
    Tendo em vista o Art. 23 § 1º de nosso Estatuto, a excepcional apresentação e oração para o
    Ministério de Ancião de um irmão que seja Diácono ou, de irmão para o Ministério de Diácono que seja
    Cooperador do Oficio Ministerial ou Cooperador de Jovens e Menores, doravante terá o seguinte
    procedimento: - Na primeira Reunião Geral Anual de Ensinamentos - RGE, de cada Estado onde são
    apresentados novos obreiros, sendo considerada a real necessidade, deverá ser enviado o caso (a ficha)
    para apreciação em Reunião Ministerial em São Paulo do Conselhos dos Anciães Mais Antigos do Brasil,
    que são realizadas nas quartas segundas feiras de cada mês. Após a consideração e confirmação da parte
    de Deus, o Ministério da região de onde originou a apresentação será informado e, então, se fará a
    ordenação. Quando ocorrer o encaminhamento de tais casos, necessariamente, deverão comparecer
    alguns Anciães Mais Antigos que trataram do assunto da Reunião Geral de Ensinamentos – RGE de
    origem.


    40. COOPERADOR DE JOVENS E MENORES - MINISTÉRIO
    Já a muitos anos o Ministério dos Anciães tem considerado o trabalho feito pelos Cooperadores
    de Jovens e Menores que desenvolvem importante papel na formação do caráter de nossas crianças, e
    preservação da doutrina juntos aos adolescentes e a mocidade, nas Congregações. Na falta do
    Cooperador do Oficio Ministerial em sua Congregação, o Cooperador de Jovens e Menores tem dado
    atendimento. E muitos lugares por ocasião da santa ceia, também tem sido utilizados. Considerando a
    importância do trabalho que exerce, o que não é novidade, pois no capitulo 2 aos Romanos, verso 20, o
    apóstolo já mencionava a importância desse trabalho, chamando de “Mestre de crianças, que tinha a
    forma da ciência e da verdade da lei”, e assim, vemos que há necessidade de considerarmos como sendo
    Ministério e não cargo. Notamos a dificuldade quando nos referimos ao pronunciar “cargo de
    Cooperador de Jovens e Menores” e não “Ministério”. A decisão em nomear o Cooperador de Jovens e
    Menores como Ministério, não fere a doutrina e nem os princípios, pois eles já são utilizados, em muitos
    casos, nos atendimentos dos santos cultos, reuniões de evangelização e também nas santas ceias. O
    Cooperador de Jovens e Menores também Ministra a Palavra. Assim, tendo em vista que o Art. 22 do
    Estatuto silencia quanto à figura do Cooperador de Jovens e Menores como integrante do Ministério, o
    Conselho Geral de Anciães, nos termos do Artigo 44 do Estatuto, delibera que doravante a função do
    Cooperador de Jovens e Menores será considerada como integrante do Ministério da Congregação Cristã
    no Brasil. Porém quanto à operação de seu Ministério, apenas se acrescenta que na falta do Ancião,
    Cooperador do Oficio Ministerial, e ou Diácono, os Cooperadores de Jovens e Menores também poderão
    ministrar a unção, quando solicitado pelo ministério Local.

    TÓPICOS DA OBRA DA PIEDADE

    1. COLETAS NAS CONGREGAÇÕES
    Devemos permanecer nos ensinamentos, observando-se o que consta no Art. 7º do nosso
    Estatuto que diz: “A receita da Congregação é auferida, exclusivamente, por coletas e ofertas voluntárias
    e anônimas”. Portanto, as coletas que devem ser anunciadas à irmandade são as estatutárias, ou seja,
    Construção e Compra de Terrenos, Piedade, Viagens, Manutenção e Especiais, estas quando aprovadas
    nas RRM – Reunião Regional Ministerial.


    2. ARRECADAÇÃO DE NUMERÁRIO
    Nas congregações não deve haver arrecadação de numerários, onde se pede à irmandade para
    colaborar com doações estabelecidas pelo Ministério da igreja e nem marcação de valores com listas e
    boletos para pagamento posterior. A irmandade não deve ser pressionada, mas ensinada a orar a Deus
    para cooperar nas coletas.

    3. ALDEIAS INDÍGENAS – COLETAS (Repetição do Tópico 11 de 2012)
    Conforme ensinamentos anteriores, ninguém deve ir às aldeias indígenas sem passar por Reunião
    Regional Ministerial da localidade, onde receberão orientação e aconselhamento do Ministério.
    Também não se pode fazer coletas nas aldeias indígenas por ser proibido pela FUNAI – Fundação
    Nacional do Índio. Doações de roupas e instrumentos musicais, da mesma fora, deverão ser autorizadas
    pelo Ministério, nas Reuniões Regionais Ministeriais, antes de ser encaminhadas às aldeias.


    4. MEDIDA REPREENSÍVEL – DIÁCONOS E IRMÃS DA OBRA DA PIEDADE
    Antes de se tomar qualquer medida contra um irmão Diácono ou irmã da Obra da Piedade, devese
    comunicar o assunto ao irmão Diácono mais antigo do Ministério da região, que deverá analisar o
    caso junto aos demais. Quanto a medidas disciplinares como afastamento ou destituição se necessário,
    deverão ser tomadas em Reunião Regional Ministerial, junto ao Conselho de Anciães.


    5. REUNIÕES GERAIS DE ENSINAMENTOS
    Os irmãos Diáconos de todo Brasil devem frequentar somente a RGE – Reunião Geral de
    Ensinamentos pertencentes à sua Regional, a não ser que sejam convocados para estar na RGE de São
    Paulo. Não devem frequentar, caso haja, as demais RGE de seu Estado. Sempre que for necessário
    apresentar novos obreiros para Diáconos, os Anciães mais antigos convocarão os Diáconos mais antigos
    para as devidas considerações.

    CONGREGAÇÃO CRISTÃ NO BRASIL
    RUA VISCONDE DE PARNAÍBA, 1616 – CEP 03164-0300
    CAIXA POSTAL – 67511 – CEP 03102-970 – FONE 3299-0200
    São Paulo, Abril de 2017.
    (Carta Vinculada aos Tópicos da 82ª Reunião Geral Anual de Ensinamentos – 2017)
    Ao Ministério da Obra de Deus

    ASSUNTO – NÃO EXTINGUIR O ESPÍRITO
    Dirigimo-nos aos Servos de Deus do Ministério, aconselhando-os quanto ao perigo
    que há em extinguir o Espírito de Deus. A obra de Deus é conduzida por seu Espírito que atua
    nos corações de seus fiéis, e a sua operação é manifesta onde há pureza, sinceridade, humildade,
    simplicidade e amor, produzindo a paz entre o povo.
    Em I Tessalonicenses 5:19, o apóstolo Paulo exorta a não extinguir o Espírito; nos
    versos 21 e 22, recomenda “examinar tudo, reter o bem e abster-se de toda a aparência do mal”.
    No Verso 23, diz: “E o mesmo Deus de paz vos santifique em tudo; e todo o vosso espírito, e alma,
    e corpo, sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus
    Cristo”. Já, nos tempos que vivia o apóstolo, haviam manifestações que extinguiam o Espírito e
    o resultado era a perda da guia de Deus, sendo então guiados pelo homem. Assim sabemos que
    onde o Espírito de Deus não governa, é o maligno em forma de homem. Isso se observa em
    muitos lugares onde o povo vive inquieto, envolvidos em contendas e dissensões, enfermos na
    fé. Em muitos lugares, famílias de nossos irmãos são divididas, tendo como origem o
    comportamento do ministério da igreja que vive em desunião, contendas e inveja que levam
    todo o povo a sofrer pela falta do Espírito de Deus, pois Ele não habita onde há essas coisas.
    Muitos servos vivem sob o efeito de forte influência de informações vindas por seus amigos
    mais próximos os quais fermentam os seus corações, quer por seu falar, quer pelos meios
    eletrônicos de comunicação que veiculam, dia e noite, informações, tanto boas quanto malignas
    e essas só produzem contendas e separações entre irmãos. Vê-se por isso que é necessário
    vigiar, examinar tudo, reter o bem e abster-se de toda aparência do mal.
    Em I Coríntios 5:6, o apóstolo diz: “Não é boa a vossa jactância. Não sabeis que um pouco
    de fermento faz levedar toda a massa?”. Nesse sentido, “fermento” quer dizer aquilo que excita
    gradualmente o espírito de “jactância” quer dizer vanglória, soberba, amor próprio, coisas que
    a Palavra de Deus reprova.
    Assim, irmãos, despertai-vos, pois são notórias as manifestações do mundo em nossos
    dias, indicando que a volta do Senhor Jesus se aproxima, pois já naquele tempo assim era
    exortado. Portanto, cingindo os vossos lombos com a verdade, prossigais, buscando sempre ser
    governados pelo Senhor que através de seu Espírito nos guiará em toda a verdade. Os que
    prosseguirem dormindo, alimentando-se com esses males serão encontrados com suas
    lâmpadas sem azeite, não podendo mantê-las acesas. Por isso em Lucas 12:35 disse o Senhor
    Jesus, “Estejam cingidos os vossos lombos, e acesas as vossas candeias”. Assim, certamente, o
    Deus de paz vos santificará em tudo, tanto no espírito, no corpo e alma.
    A graça seja com todos os que amam a nosso Senhor Jesus Cristo em sinceridade. Amém.
    Os Anciães.

    TÓPICOS DA PARTE MUSICAL, APROVADOS EM REUNIÃO GERAL ANUAL DE
    ENSINAMENTOS REALIZADA NA CASA DE ORAÇÃO DO BRÁS EM 13 E 14 DE ABRIL DE 2017
    ENCARREGADOS REGIONAIS DE ORQUESTRAS E EXAMINADORAS DE ORGANISTAS

    1. FINALIDADE DA “MEIA HORA” NOS CULTOS
    A finalidade dos hinos executados pela organista e do hino do silêncio durante a meia hora, tem por
    objetivo que a irmandade permaneça em silêncio, em santa meditação e comunhão com Deus, enquanto
    espera o início do santo culto.

    2. MANUAL DE ORIENTAÇÃO ORQUESTRAL
    Com o objetivo de uniformizar e reorganizar nossas orquestras foi criado o MANUAL DE
    ORIENTAÇÃO ORQUESTRAL, em conformidade com os nossos tópicos das Reuniões Anuais de
    Ensinamentos e aprovado na reunião do Conselhos dos Anciães Mais Antigos do Brasil no dia 28/11/2016.
    Esse manual será apresentado em todas as regionais, para uma boa compreensão do seu conteúdo e
    objetivos.

    3. INSTRUMENTOS ACEITOS EM NOSSAS ORQUESTRAS
    Doravante não será permitido o ingresso, em nossas orquestras, de instrumentos que não constam no Manual
    de Orientação Orquestral. Os instrumentos não aceitos e em desacordo com os tópicos editados anteriormente, que
    ainda estejam na orquestra, só poderão ser tocados em suas comuns congregações.
    Necessidades especificas de adaptação por causa de deficiências físicas, visuais ou auditivas, deverão ser
    analisadas primeiramente pelo Ministério, antes de qualquer decisão.

    4. INGRESSO DE CANDIDATOS NOS GRUPOS DE ENSINO MUSICAL - GEM
    Antes do início nos Grupos de Ensino Musical os candidatos devem ser apresentados primeiramente ao
    ministério, para orientação quanto à doutrina e, na ocasião, serão autorizados através de formulário especifico. Após
    a liberação do ministério o Encarregado Local deverá expor os deveres e obrigações ao futuro candidato conforme o
    Regulamento das Orquestras e Manual de orientação. Em situações especificas poderá haver exceção com iniciação
    fora do ano letivo, quando deverá ser nominado um instrutor para atender essa situação.

    5. NÚMERO DE ORGANISTAS EM CADA CULTO
    O número oficial de organistas que tocam por culto é de uma organista.
    Onde houver necessidade, poderão tocar até 3 irmãs organistas em um mesmo culto, ou seja: uma tocará a
    meia hora, outra tocara o hino do silêncio e os três hinos e outra tocará os demais hinos. Este procedimento poderá
    ser adotado, também nas reuniões de mocidade, batismos, etc.
    Em cada regional o ministério será responsável pelas necessidades de sua respectiva região.
    6. ORGÃO ELETRÔNICO NAS CASAS DE ORAÇÃO
    Devido ao grande número de organistas, ocorrem alguns casos de serem colocados mais de um órgão em
    Ensaios Regionais e reuniões de mocidade. Essa forma não foi aprovada, devendo haver apenas um órgão eletrônico
    em cada congregação.
    Pode ser colocado mais de um órgão nas localidades onde há testes de organistas e exame de oficialização,
    somente para essa ocasião.
    Todas as irmãs organistas devem comparecer aos Ensaios Locais e Regionais, pois mesmo que não haja tempo
    suficiente para que todas toquem, poderão tomar conhecimento dos andamentos e demais esclarecimentos que
    serão dados.

    7. TESTES PARA CULTOS OFICIAIS PARA MÚSICOS E ORGANISTAS
    Tendo em vista a necessidade em várias regiões para a realização dos testes, o ministério reconsidera a
    oportunidade de se realizar testes para tocar nos cultos oficiais, antes do exame de oficialização, aos que já forem
    batizados (as), em conformidade com as fases de ingresso na orquestra (conforme Histórico Musical e Instruções
    Regulamentares para as Orquestras).
     Irmãs: Havendo vaga em suas respectivas comuns congregações. O referido teste deverá ser aplicado
    pela Examinadora de organistas. Nas regiões onde não houver Examinadora de organistas ficará a
    cargo do Encarregado Regional.
     Irmãos: Na ausência do Encarregado Regional os testes poderão ser executados pelo Encarregado
    Local.
    Após o ingresso nos cultos oficiais os candidatos terão um período de tempo no qual deverão dedicar-se
    ao aperfeiçoamento do ensino musical para sua oficialização.


    8. ATENDIMENTO DE EXAMES DE OFICIALIZAÇÃO DE MÚSICOS E ORGANISTAS
    O exame de oficialização deve ser feito em dia exclusivo e não por ocasião de Ensaios Regionais ou Locais, na
    seguinte ordem:
    Abre-se o serviço em nome do Senhor Jesus, com uma oração realizada pelo Ancião que preside.
    Após a oração o Encarregado Regional e/ou a examinadora de organistas procederá ao exame.
    O Ancião deverá permanecer na congregação durante o decorrer do exame.
    Após todos serem examinados, o Ancião lerá a lista com os nomes e respectivos instrumentos dos aprovados
    e procede com os ensinamentos e doutrina concernentes à música.
    Após os ensinamentos o Ancião fará a oficialização dos aprovados e em seguida a oração apresentando-os a
    Deus e também o agradecimento.
    Na primeira oportunidade subsequente ao exame de oficialização, os músicos que foram aprovados e
    oficializados devem ser chamados à frente da irmandade em culto oficial na sua comum Congregação e durante a
    liberdade para testemunhos, apresentados como músico ou organista oficializados. Esse culto (na qual o músico será
    apresentado) deverá ser atendido preferencialmente, por um Ancião.

    9. PRESIDÊNCIA NOS ENSAIOS REGIONAIS
    Os anciães devem ter cuidado na presidência dos Ensaios Regionais, pois se têm notado alguns Encarregados
    procedendo de forma inadequada na regência, com pregações e profecias durante o ensaio, também com
    apresentação de grupos isolados e ou irmãos com maior capacidade para execução musical, havendo total omissão
    da presidência. Também devem manter a disciplina no tempo de duração do ensaio (2 horas). Lembramos que,
    conforme tópicos anteriores poderão reger no máximo dois Encarregados Regionais, tanto nos Ensaios Regionais,
    quanto nos Ensaios Locais.
    O tempo entre a abertura e o início da regência não deve exceder 30 (trinta) minutos.

    10. ENSAIOS COM A IRMANDADE
    Poderá ser realizado em um dia de culto, suprimindo-se a liberdade dos testemunhos (20 minutos) com a
    finalidade de adequar o canto da irmandade com a intensidade e o andamento da orquestra. Também poderão ser
    realizados, duas vezes por ano, em dia que não haja culto, um ensaio para a irmandade com a finalidade de ensaiar
    hinos exclusivos para ocasiões adequadas, sendo aberto com um hino, oração e Palavra e, após, passa-se o
    atendimento para o Encarregado Regional, na sua ausência, o Encarregado Local poderá atender.
    11. REUNIÕES PARA APRIMORAMENTO TÉCNICO
    Deverão ser realizadas periodicamente reuniões com a participação de Encarregados Regionais, Encarregados
    Locais, Instrutores com instrumentos e Examinadoras e Instrutoras de Organistas, onde serão ministrados conteúdos
    técnicos de proveito para aplicação nas orquestras e capacitação dos instrutores nos Grupos de Ensino Musical,
    aplicados por irmãos que tenham conhecimento técnico.

    12. REUNIÕES PARA APRIMORAMENTO TÉCNICO POR CATEGORIA DE INSTRUMENTO
    Conforme tópico nº 8, da Reunião Anual de Encarregados Regionais de 2014, ficou determinada a
    realização de reuniões de aprimoramento técnico por categorias de instrumento.
    Deverão estar presentes nessas reuniões os irmãos Encarregados Regionais e Locais da região,
    porém as orientações técnicas serão ministradas por um irmão especificamente designado naquela
    categoria de instrumento.
    Essas reuniões dever ser marcadas em comunhão com o Conselho Regional de Anciães.

    13. MÉTODOS E APOSTILAS DESENVOLVIDOS PARA O ENSINO MUSICAL NA CONGREGAÇÃO
    O ministério delibera que métodos e apostilas desenvolvidos com objetivos de ensino na Congregação, só
    poderão ser adotados após serem considerados e aprovados pelo Conselho de Anciães Mais Antigos do Brasil,
    reunidos em São Paulo, por ocasião da Reunião Geral Anual de Ensinamentos.

    14. CONVITES PARA ENSAIOS E OUTROS SERVIÇOS
    A divulgação de ensaios musicais, Reuniões de aprimoramento técnico e outros serviços da parte musical que
    são realizados na Obra de Deus é feita somente através da Lista de Batismos. O Conselho de Anciães reprova a
    publicação através de outros meios, tais como convites pelas redes sociais
    avatar
    Fco Oliveira
    Admin

    Mensagens : 1364
    Reputação : -1
    Data de inscrição : 13/07/2009
    Idade : 55
    Localização : Catanduva São Paulo

    http://gideoes-ccb.forumeiros.com

    Voltar ao Topo Ir em baixo

    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

    - Tópicos similares

     
    Permissão deste fórum:
    Você não pode responder aos tópicos neste fórum