Gideões da CCB Livre de Religião.
Buscar
 
 

Resultados por:
 

 


Rechercher Busca avançada

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Maio 2017
SegTerQuaQuiSexSabDom
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031    

Calendário Calendário

Estatísticas
Temos 1251 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de jucimar

Os nossos membros postaram um total de 1728 mensagens em 556 assuntos
Anuncios

    Não há anúncios disponíveis.


    As Sete Profecias Maias que revelam o fim do mundo!

    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

    As Sete Profecias Maias que revelam o fim do mundo!

    Mensagem por Fco Oliveira em Qui Set 29, 2011 1:41 am



    As Sete Profecias Maias, que revelam o fim do mundo egoista, individual e nos mostra um mundo coletivo; onde cada ser humano é parte deste gigantesco elemento vivo, chamado Planeta Terra!

    As profecias falam sobre o final do medo. Dizem que o nosso mundo de ódio e
    materialismo terminará no sábado 22 de dezembro do ano 2012. Neste dia a
    humanidade deverá escolher entre desaparecer do planeta como espécie pensante
    que ameaça destruir o planeta, ou evoluir para a integração harmônica com todo
    o Universo, compreendendo que tudo está vivo e consciente, que somos partes
    desse todo e que podemos existir em uma era de luz.


    A 1ª profecia Maia diz:

    Que a partir de 1999 restam-nos 13 anos, só 13 anos.
    Para realizarmos as mudanças de consciência e atitude de que eles nos falam,
    Para que possamos nos desviar do caminho da destruição pelo qual avançamos,
    Para um outro que abra nossa consciência e a nossa mente para nossa integração
    com tudo o que existe.


    Os Maias sabiam que o nosso Sol (eles o chamam de "Kinich-Ahau") é um ser vivo
    que respira e que a cada certo tempo se sincroniza com o enorme organismo que
    existe e que, ao receber uma manifestação de luz do centro da galáxia, brilha
    mais intensamente produzindo em sua superfície o que os nossos cientistas
    chamam de erupções solares e mudanças magnéticas.


    Eles dizem que isso acontece a cada 5.125 anos. Que a terra se vê afetada pelas
    mudanças do Sol mediante o deslocamento do seu eixo de rotação. Previram que a
    partir desse movimento haveria grandes desastres.


    Para os Maias, o processo universal, como a respiração da galáxia, é cíclico e nunca
    muda. O que muda é a consciência do homem, que passa através deles num processo
    sempre em direção para mais perfeição.

    Com base em suas observações, os Maias previram que a partir da data inicial de sua civilização 13.0.0.0.0 (4 Ajaw 8 kumku), isso é 3.113 a.C., 5.125 anos no futuro, ou seja, sábado 22 de dezembro de 2012, o Sol, ao receber um forte raio sincronizador proveniente do centro da
    galáxia, mudará sua polaridade e produzirá uma gigantesca labareda radiante.


    Para este dia a humanidade deve estar preparada para atravessar a porta que os Maias nos
    deixaram, quando a civilização atual, baseada no medo, passará para uma
    vibração muito mais alta de harmonia. (E só de maneira individual poderemos
    atravessar a porta que permite evitar o grande desastre que o Planeta vai
    sofrer para dar início a uma nova era, um sexto ciclo do Sol).


    Os Maias asseguravam que a sua civilização era a 5ª iluminada pelo Sol (Kinich-Ahau), o
    5° grande ciclo solar. Que antes havia existido outras 4 civilizações que foram
    destruídas por grandes desastres naturais. Achavam que cada civilização é
    apenas um degrau para a ascensão da consciência coletiva da humanidade.


    Para os Maias, no último desastre, a civilização teria sido destruída por uma grande
    inundação que deixou apenas alguns sobreviventes, dos quais eles eram seus
    descendentes. Pensavam que, ao conhecer o final desses ciclos, muitos humanos
    se preparariam para o que vinha e que graças a isso haveriam de conseguir
    conservar sobre o planeta a espécie pensante, o Ser Humano.


    Eles nos dizem que a mudança dos tempos permite subir um degrau na evolução da
    consciência. Podemos nos dirigir a uma nova civilização que manifestará maior
    harmonia e compreensão para todos os seres humanos.


    Na 1 ª profecia Maia:

    Nos fala do "tempo do não-tempo", um período de 20 anos chamado "Katún",
    os últimos 20 anos desse grande ciclo de 5.125 anos, quer dizer, de 1992 até 2012.
    Profetizaram que neste tempo manchas cada vez mais intensas apareceriam no Sol
    e que a partir de 1992 a humanidade entraria num último período de grandes aprendizagens,
    de grandes mudanças, e que nossa própria conduta de depredação e contaminação
    do planeta contribuiriam para que essas mudanças acontecessem.


    Essa profecia diz que essas mudanças irão acontecer para que possamos entender como funciona o Universo e para que avancemos níveis superiores, deixando para trás o materialismo
    e nos livrando do sofrimento.


    O Livro Sagrado Maia CHILAM BALAM diz que no 13° Ahau, no final do último
    Katún (2012), o Itzá será arrastado e rodará Tanka (...as
    civilizações...cidades serão destruídas). Haverá um tempo em que estarão sumidos na escuridão e depois virão trazendo sinal futuro "Os Homens do Sol". A Terra despertará pelo
    norte e pelo poente o Itza despertará.


    A 1 ª profecia anunciou que 7 anos depois do inicio do 1° katún, ou seja, 1999,
    começaria uma época de escuridão e que todos nós a enfrentaríamos com nossa
    própria conduta. Disseram que as palavras de seus sacerdotes seriam escutadas
    por todos nós como orientação para o despertar.


    Eles falam dessa época como o tempo em que a humanidade entrará no "Grande
    Salão dos Espelhos", uma época de mudanças para que o homem enfrente a si
    mesmo, para que ele veja e analise seu comportamento com ele mesmo, com os
    demais, com a natureza e com o planeta onde vive.


    Uma época para que toda a humanidade, por decisão consciente de cada um de nós, decida
    mudar e eliminar o medo e a falta de respeito de todas as nossas relações.





    A 2ª profecia Maia:

    Anunciou que o comportamento de toda a
    humanidade mudaria rapidamente a partir do eclipse solar de 11 de agosto de 1999. Naquele dia
    vimos como que um anel de fogo que se recortava contra o céu.


    Foi um eclipse sem precedentes na história, pelo alinhamento em cruz cósmica com o centro
    da Terra, de quase todos os planetas do Sistema Solar. Eles se posicionaram nos
    4 signos do zodíaco (que são os signos dos 4 evangelistas, os 4 guardas do trono
    que protagonizam o Apocalipse segundo São João).


    Além disso, a sombra que a Lua projetou sobre a Terra atravessou a Europa, passando
    por Cosovo, depois pelo Oriente Médio, Irã, Iraque e posteriormente dirigindo-se
    ao Paquistão e a Índia. Com a sua sombra, ela parecia prever uma área de conflitos
    e guerras, como realmente aconteceu.


    Os Maias sustentavam que a partir desse eclipse, o homem perderia facilmente o
    controle ou então alcançaria sua paz interior e tolerância evitando os
    conflitos. Viveríamos, então, uma época de mudanças, que é a ante-sala de uma nova era,
    onde "a noite fica mais escura antes do amanhecer".


    O fim dos tempos é uma época de conflitos e de grande aprendizagem, de guerras,
    separação e de loucura que vai gerar, por sua vez, processos de sofrimento,
    destruição e evolução.


    A segunda profecia indica que a energia que se recebe do centro da galáxia aumentará e acelerará a vibração em todo o Universo para conduzir a uma maior perfeição. Isso produzirá
    mudanças físicas no Sol, mudanças psicológicas no ser humano que mudará a sua
    forma de pensar e de sentir.


    Serão transformadas as formas de relacionamento e de comunicação, assim como os sistemas
    econômico-sociais de ordem e justiça e serão mudadas as convicções religiosas e
    os valores que aceitamos hoje.


    O ser humano irá defrontar-se com seus medos e angústias para solucioná-los e assim
    poderá sincronizar-se com o ritmo do planeta e do Universo.


    A humanidade irá se concentrar no seu lado negativo e poderá ver claramente as
    coisas ruins que estão fazendo. Esse é o primeiro passo para mudar de atitude e
    conseguir a unidade que permite o surgimento da consciência coletiva.


    Serão incrementados os acontecimentos que nos separam, mas também os que nos unem,
    criando uma instabilidade emocional (o medo, a agressão, o ódio, as famílias em
    dissolução, os enfrentamentos por ideologia, religião, modelos de moralidade e
    nacionalismo).


    Simultaneamente, mais pessoas encontrarão a paz interior, aprenderão a controlar suas emoções, haverá mais respeito, serão mais tolerantes e compreensivas, encontrarão o amor
    e a unidade.


    Surgirão homens com altíssimos níveis de energia interna, pessoas com sensibilidade e poderes
    intuitivos para a salvação. Mas também surgirão farsantes que pretenderão obter
    lucro econômico à custa do desespero alheio.


    Os Maias previram que a partir de 1999 começaria a era do "tempo do não-
    tempo", uma etapa de mudanças rápidas, necessária para renovar os
    processos geológicos, sociais e humanos.


    Ao final do ciclo cada um seria seu próprio juiz (será quando o ser humano entrará no
    Grande Salão dos Espelhos para analisar tudo o que fez na vida). Ele será
    classificado pelas qualidades que tenha conseguido desenvolver na vida, sua maneira
    de agir dia após dia, seu comportamento com o semelhante e com o planeta.


    Todos irão se posicionar segundo o que desejam. Os que conservam a harmonia
    entenderão o que aconteceu como um processo de evolução no Universo. Por outro
    lado, haverá outros que, por ambição ou frustração, culparão os outros ou a
    Deus pelo que acontecerá.


    Serão geradas situações de destruição, morte e sofrimento. Mas elas também darão
    lugar, ao mesmo tempo, a circunstâncias de solidariedade e respeito pelo
    semelhante, de unidade com o planeta e com o cosmos.


    Isso significa que o céu e o inferno estarão se manifestando ao mesmo tempo e que
    cada ser humano viverá em um, ou em outro, dependendo de seu próprio
    comportamento. No céu, com a sabedoria para transcender o que acontecerá. No
    inferno para aprender com a dor e com o sofrimento.


    Duas forças inseparáveis, uma que entende que tudo no universo evolui para a
    perfeição, que tudo muda; outra envolta em um plano de materialismo que só
    alimenta o egoísmo.


    Na época da mudança dos tempos, todas as opções estarão disponíveis e praticamente sem
    censura de nenhum tipo e os valores morais serão mais frouxos que nunca para
    que cada um se manifeste, livremente como é.


    A 2ª profecia afirma que, se a maioria da população mudar seu comportamento e se
    sincronizar com o planeta, serão neutralizadas as mudanças drásticas que serão
    descritas nas seguintes profecias.


    Devemos estar conscientes de que o ser humano sempre decide seu próprio destino
    (Livre Arbítrio), especialmente nesta época. As profecias são apenas
    advertências para que tomemos consciência da necessidade de mudança de rumo
    para evitar que isso se torne realidade.





    A 3ª profecia diz:

    Que uma onda de calor aumentará a temperatura do planeta
    provocando mudanças climáticas, geológicas e sociais de magnitudes sem
    precedentes e a uma velocidade assombrosa.


    Os Maias disseram que esse aquecimento se dará por vários fatores: alguns deles pelo ser
    humano que, por sua falta de sincronismo com a natureza, poderá produzir
    processos de autodestruição. Outros fatores serão gerados pelo sol, que ao
    acelerar sua atividade, pelo aumento da sua vibração, produzirá mais irradiação
    aumentando a temperatura do planeta.


    Cada um de nós, de uma forma ou de outra, ajudamos a desflorestar o planeta ou a contaminá-lo.
    Com nossos automóveis, jogando lixo nas ruas ou parques públicos, contribuímos
    para que o clima do planeta volte-se contra nós.


    As mudanças já estão acontecendo, mas como estão acontecendo muito lentamente nos
    adaptamos a elas e nem as percebemos. O processo global de industrialização que teve lugar no século XX mudou dramaticamente a atmosfera com suas emissões de gases tóxicos.


    As chamadas chuvas ácidas, um subproduto da queima de carvão ou derivados de petróleo
    e emissões de sulfatos e óxidos de nitrogênio das indústrias; têm lugar no
    mundo todo e concentra-se nas áreas urbanas, corroem os monumentos e as pontes,
    destrói a pintura externa, os bosques, causa danos à vida marinha e aos solos
    cultivados, transforma a água potável em tóxica e reduz a visibilidade.


    As chaminés contaminantes de milhões de fábricas, indiferentes ao dano que causam,
    modificaram as temporadas de chuvas, as estações e o clima.


    Tudo isso deu lugar ao aparecimento do efeito estufa, pois a concentração de CO2 que fica
    flutuando na atmosfera e reage quimicamente com dióxidos, aumentando a
    temperatura.


    O ar que respiramos está cheio de partículas de monóxido de carbono
    (CO), dióxido de nitrogênio (NO2) e metano (CO3), produtos resultantes da
    combustão da gasolina no motor de milhões de automóveis e de milhares de usinas
    térmicas e de geração de eletricidade.


    A depredação de selvas para terras de cultivos, ou para ampliar as cidades,
    tornou-se uma prática comum. Os bosques que purificam o ar, ao transformar gás carbônico
    em oxigênio, são incendiados. O ser humano não é consciente do mal que está
    causando ao planeta, nem que é preciso plantar para repor a vegetação que
    consome.


    O planeta transformou-se em um grande depósito de lixo. Enviamos contêineres com resíduos
    radioativos para o fundo do mar, carregamos navios inteiros com substancias
    não-degradáveis.


    As variações climáticas, conseqüência das relações danosas do ser humano e das
    mudanças de comportamento do Sol, produzem uma alteração das chuvas, diminuindo
    sua intensidade, quantidade e regularidade. O aumento da temperatura produzirá
    fortes ventos, furacões e tufões.


    Os furacões são tormentas gigantescas e violentas, um redemoinho de destruição e
    morte (São chamados de FURACÃO em homenagem ao deus do mal dos aborígines do Caribe).

    O furacão Mithi e os fenômenos associados ao El-niño são evidências da
    tendência para grandes desastres causados pelo clima. O sistema hídrico é
    fundamental, pois cerca de 70% da superfície do planeta está coberta por água.


    Com o aumento da temperatura, diminui a umidade relativa do ar que trará como
    conseqüência menas nuvens e maior exposição ao sol, agravando assim o problema,
    pois, assim será evaporada a água dos solos, produzindo muitas secas e grandes
    incêndios em todo o planeta.


    A falta d'água produzirá graves inconvenientes à vegetação, reduzindo seu
    crescimento e diminuindo consideravelmente o tamanho das colheitas. Ao
    reduzir-se a quantidade de água das chuvas, diminuirá também o fluxo dos açudes
    e lagos, criando sérios problemas à fauna da Terra.


    Tudo isso causará um forte impacto na economia. Haverá desabastecimento e muitos
    produtos que dependem do clima, como da água (as folhagens, os cereais, os pescados
    e a geração de energia elétrica), terão aumentos vertiginosos de preço. Serão
    épocas de racionamento de eletricidade, de fome e descontentamento social,
    aumentará o número de pragas, insetos e doenças tropicais como a malária.


    O comportamento do ser humano será crucial para suportar o aumento geral da
    temperatura causado pela sua própria conduta inconsciente e depredatória.



    A 4ª profecia Maia mostra o indivudualismo e o egoismo do ser humano:

    Que o aquecimento do planeta, causado pela conduta
    antiecológica do ser humano e por uma maior atividade do Sol, causará o
    derretimento do gelo dos pólos.


    Se o Sol aumentar seus níveis de atividade acima do normal, haverá uma maior
    produção de ventos solares, mais erupções maciças desde a coroa do sol, um
    aumento na irradiação e um incremento na temperatura do planeta.


    Os Maias se basearam no giro de 584 dias do planeta Vênus para efetuar seus cálculos solares.
    Vênus é um planeta facilmente visto no céu, pois sua órbita está entre a Terra e o Sol.


    Eles deixaram registrados em seu "Códici Dresdem" que a cada 117 giros de
    Vênus marcado a cada vez que o planeta aparece no mesmo ponto no céu, o Sol sofre
    fortes alterações e aparecem grandes manchas, ou erupções.


    Advertiram que a cada 1.872.000 kines, ou sejam, 5.125 anos, são produzidas alterações ainda
    maiores e que, quando isto ocorrer, o ser humano deverá estar alerta, pois é o presságio de destruição e mudanças.


    No "Códice Dresdem" também figura o número 1.366.560 kines que tem a
    diferença de 1 katun (20 anos) com um número que aparece no Templo da Cruz. No
    Templo da Cruz, em Palenque, está entalhado o número 1.359.540 kines. Esta
    diferença que está anotada no "Códice Dresdem", de 20 anos ou 1
    katún, é um período de tempo que eles chamavam de "Tempo do
    não-tempo" que é o que estamos vivendo desde 1992.


    As mudanças da atividade do Sol serão maiores, posto que as proteções que temos em
    todo o planeta estão ficando mais fracas. O escudo eletromagnético que temos e
    que nos protege, está diminuindo em sua intensidade. A produção de ozônio na
    ionosfera que impedia a chegada dos raios ultravioletas a Terra diminuiu e já
    apareceram alguns enormes buracos sobre os pólos, permitindo a chegada dos
    raios nocivos do Sol à superfície do planeta.


    A atividade do ser humano está alterando a composição da atmosfera (o chamado
    "efeito estufa" que impede a saída do calor e aumenta a temperatura).
    Todos os fenômenos, ao ocorrerem simultaneamente, produzirão modificações no clima e um
    aumento da temperatura nos mares, o que derreterá mais rapidamente o gelo nas
    calotas polares.


    Isso causará aumento do nível dos mares produzindo inundações nas terras
    costeiras com modificação morfológica dos continentes onde vivemos.


    Os Maias previram que esta seria a forma como o planeta se limparia. O aumento da
    temperatura já começou. Relatórios científicos de diversas fontes concluem e
    confirmam, através de estudos realizados por universidades, que as geleiras e
    picos nevados de todo o mundo estão diminuindo seu volume notavelmente, como
    resultado do aumento geral da temperatura do planeta.


    O maior pico nevado na África, o monte Kenia, perdeu 92% de sua massa e os picos
    nevados do Monte Quilimanjaro sofreram redução de 73%. Na Espanha, em 1980,
    havia 27 picos nevados, esse número foi reduzido para 13. Nos Alpes europeus e
    no Cáucaso na Rússia diminuíram em 50%. Na Nova Zelândia e nos montes entre a
    Rússia e na China houve redução de 26%.


    Os cálculos preliminares dos estudos dizem que, se as mudanças continuarem no
    mesmo ritmo, em 50 anos não haverá mais picos nevados em nenhuma parte do
    mundo.


    Na Antártida a situação é ainda mais grave, pois o gelo está se derretendo a
    partir do centro e não a partir das bordas. A temperatura na Antártida aumentou
    2,5°C nos últimos 25 anos e está aparecendo vegetação em locais onde antes não
    havia nada mais do que gelo.


    Mais de 50% da população mundial vive perto do mar, por isso, milhões de pessoas serão
    afetadas e deslocadas de seus lares. O ano 1998 estabeleceu recordes de altas
    temperaturas, que ficaram dentre as mais altas dos últimos 600 anos.


    No entanto, um aumento da temperatura como este que vem ocorrendo não muda
    rapidamente os níveis de água em todo o planeta. Será um processo que levará
    alguns anos. A única coisa que poderia fazê-lo acontecer mais rapidamente seria
    uma mudança súbita na posição da crosta terrestre sobre seu núcleo central.


    Isso já ocorreu várias vezes no planeta ao mudar a posição dos pólos. Sabemos
    que muitas coisas que não queremos que aconteçam e que causam grandes tragédias,
    acabam acontecendo.


    Devemos nos concentrar em produzir resultados positivos de nossas ações e ao mesmo tempo
    crescer com as dificuldades que encontramos. Devemos assumir a vida e tomar as
    decisões de maneira consciente.


    Todas as profecias procuram uma mudança na mente humana. O Universo está gerando todos
    esses processos para que a humanidade se expanda pela galáxia compreendendo sua
    integridade fundamental com tudo que existe.




    A 5ª profecia Maia mostra o fim da religião do medo e o fim do Deus tirano que julga e condena as pessoas ao fogo do inferno:

    Que todos os sistemas baseados no medo, sob as quais está
    fundamentada a nossa civilização, se transformarão simultaneamente com o
    planeta e com o ser humano, dando lugar a uma nova realidade de harmonia.


    O ser humano está convencido de que o Universo existe só para ele, que a humanidade é
    única expressão de vida inteligente e por isso age como depredadora de tudo que
    existe.


    Os sistemas falharão para que o ser humano enfrente a si mesmo, para que ele veja a necessidade de reorganizar a sociedade e continuar no caminho da evolução que nos levará a
    entender a Criação.


    Neste momento, praticamente todas as economias do mundo estão em crise e já foi
    desencadeada uma onda especulativa em todas as partes do mundo. Em apenas 1
    dia, 1 trilhão de dólares muda de mãos nos mercados financeiros internacionais.
    15% de queda nos mercados fazem desaparecer o equivalente a uma riqueza anual
    de todas as fabricas dos Estados Unidos juntas.


    Desde 1995, a economia mundial não é mais dominada pelo intercambio de automóveis, aço,
    trigo e outros bens e artigos reais, mas pelo intercambio de dívidas, ações e
    títulos de crédito, isto quer dizer, de riqueza virtual com a qual é muito
    fácil especular.


    A síndrome do cartão de crédito tornou-se um mal comum. O ser humano assume uma dívida
    superior ao que ganha, pondo sua economia pessoal na corda bamba (isso se reflete
    em todos os níveis).


    A especulação em torno do capital financeiro levou a uma situação econômica mais
    delicada que a de 1929, antes da queda da bolsa de valores em 1930. Quase todas
    as economias do mundo estão com problemas.


    Especulações financeiras e os "salva-vidas" do governo com dinheiro de bancos que
    estão à beira da falência, dificultam ainda mais todo esse processo. Existem,
    então, situações de alto risco no sistema econômico e no sistema de controle de
    informações.


    Se a isso acrescentarmos o aumento nas atividades do Sol que pode causar danos irreparáveis nos satélites de comunicação (irradiações mais fortes e ventos solares mais intensos), onde
    todas estas operações estão interdependentes, a situação se complica.


    Com as labaredas solares, recebemos uma dose incomum de raios ultravioletas que
    expandem a atmosfera superior, diminuindo a pressão que existe sobre os satélites
    que estão a baixas altitudes. Isso fará com que eles diminuam a sua órbita para
    outra muito mais rápida e perderemos assim o contato temporal com eles - na
    melhor das hipóteses e serão interrompidas todas as comunicações por satélite no planeta.


    Também pode acontecer que os 19.000 objetos que transitam na órbita da terra ao
    receberem esta dose alta de eletromagnetismo do Sol tenham seus componentes
    eletrônicos danificados e deixem de funcionar para sempre.


    Ao ser afetada a ionosfera, pela emissão de raios solares, produzem-se alterações em
    todas as comunicações de rádio e televisão, porque são nestas camadas que são transmitidas
    e refletidas as diferentes freqüências.


    Portanto, a economia e a comunicação são sistemas frágeis e interconectados com todos os
    outros. A rede elétrica é especialmente sensível às labaredas solares, como a
    falha ocorrida durante 9hs em toda a cidade do Quebec em 1989.


    O sistema de eletricidade é a coluna vertebral de nossas sociedades contemporâneas e se,
    por estes motivos, um falhar, falhará um atrás das outras como pedras de dominó
    derrubando consecutivamente todos os sistemas (Dizem que um sistema é tão forte
    quanto o mais fraco de seus componentes ou elos).


    Imaginemos como reagiria a nossa sociedade a todos esses acontecimentos simultâneos. A
    comida ficaria escassa; as comunicações seriam impossíveis; o tráfego
    enlouqueceria em todas as cidades; a economia ficaria paralisada;


    A maioria de nós perderia o juízo e teria início a uma desordem civil que, pela
    quantidade de pessoas envolvidas, ultrapassaria as expectativas e os controles
    civis e militares do governo. Essa situação de descontrole total modificaria
    para sempre todos os sistemas da sociedade.


    Os sistemas religiosos baseados em um Deus que infunde medo também entrariam em crise.
    Surgiria um único caminho espiritual comum a toda a humanidade que terminará com
    todos os limites estabelecidos entre as diferentes formas de ver Deus.


    O novo dia galáctico é anunciado, por todas as religiões e cultos, como uma época de
    luz, paz e harmonia para toda a humanidade.


    É claro então que tudo que não produza este resultado deve desaparecer ou transformar- se.
    A nova época de luz não pode ter uma humanidade baseada na economia militar de imposição
    de verdades pela força e pelo medo.




    A 6ª profecia Maia mostra a evolução coletiva do ser humano:

    Fala que nos próximos anos aparecerá um cometa cuja trajetória, colocará em perigo a
    própria existência do ser humano. Os maias viam os cometas como agentes de
    mudanças que vinham para pôr em
    equilíbrio o movimento existente, para que certas estruturas se transformem, permitindo a evolução da consciência coletiva. Todas as coisas têm um lugar que lhes corresponde.

    Todas as circunstâncias, até mesmo as mais adversas, são perfeitas para gerar compreensão sobre a vida, para desenvolver a consciência sobre a Criação. Por isso, o ser humano está constantemente enfrentando situações inesperadas que
    geram sofrimento a ele.

    É um modo de conseguir que ele reflita sobre sua relação com o
    mundo e com os outros. Assim, ao longo de muitas experiências, em muitas vidas,
    ele entenderá as leis naturais da Razão e da Criação.

    Para os Maias, Deus é a presença da vida em todas as formas e sua presença é infinita. O cometa - Ajenjo como era chamado - de que fala a profecia, foi também anunciado por várias religiões e culturas, como por exemplo, na Bíblia, no Livro das Revelações, onde recebe o nome de "Absinto".

    Se o cometa aparecer, é possível que sua trajetória o leve a se chocar com a Terra,
    ou então que, por meios físicos ou psíquicos, conseguiremos desviar sua trajetória.


    Os cometas sempre fizeram parte do Sistema Solar. Milhares de resíduos atravessam,
    cruzam, vão e voltam periodicamente e inclusive se chocam com os planetas que
    se movem sempre tranqüilos em suas órbitas regulares ao redor do sol (vimos recentemente
    isto acontecer).


    A comunidade científica aceita que há 65 milhões de anos, no cretáceo terciário,
    um cometa caiu em Chicxulub, na península de Yucatan, no Atlântico, causando a
    extinção dos dinossauros. Sua cratera, com 180 km de diâmetro, tem altas
    concentrações de Irídio - elemento muito raro na terra, mas, muito comum nos
    asteróides.


    Associou-se o aparecimento de asteróides a momentos difíceis como o que coincidiu
    com a erupção do vulcão Vesúvio que destruiu Pompéia e Herculano no ano 79 d.C.,
    ou com a queda do rei Harold por Guilherme, O Conquistador na Inglaterra em
    1066, como foi registrado no Tapete de Beyeux;


    Causou pânico coletivo como o Halley em 1910 (naquela época presumiu-se que a sua
    cauda era de gás venenoso -o cianureto- e foram vendidas milhares de pílulas
    para que as pessoas se protegessem dele).


    Foram também causadores de suicídios coletivos como os dos 39 membros da "Porta
    do Céu" em 1997, que acreditavam que o enorme cometa Halli-Bopp, com 40 km
    de diâmetro, vinha buscá-los.


    Os cometas sempre geraram controvérsias, mas nunca tanta como em 1456 quando
    reapareceu o cometa Halley que foi considerado como um agente do diabo e
    deveria ser expulso do céu, sendo excomungado pelo Papa Calipso III.


    (Foi Isaac Newton que descobriu que a gravidade mantém os planetas girando em órbitas,
    definido em torno do Sol e Edmond Halley, seu contemporâneo, utilizou esses cálculos
    para determinar as órbitas dos cometas, anunciando que a cada 76 anos o cometa
    Halley regressaria. Por esse motivo ele leva seu nome).


    Estes visitantes também causaram desastres regionais como na Sibéria, sobre o rio
    Tungeska, onde um asteróide de aproximadamente 50m de diâmetro explodiu no ar em
    1908, destruindo instantaneamente 2 km de um bosque totalmente denso.


    Alguns se aproximaram bastante da Terra, como o comenta Iras-araque-aukoque
    (aproximou-se a 6 milhões de km da terra e poderia ter causado um dano maior do
    que se fossem explodidas, simultaneamente, todas as bombas atômicas
    existentes).


    Os Maias sempre estudaram e registraram os eventos do céu. Seu alerta foi prevenir os seres
    humanos do perigo de não conhecerem as órbitas e os períodos de grandes
    resíduos que se cruzam com a trajetória da Terra.


    Eles sabiam que, para o homem moderno, descobrir com antecedência asteróides tão grandes
    que pudessem causar sua extinção e então desviá-los seria uma das maiores façanhas
    da história humana e o fato crucial que nos uniria como espécie.


    Antigamente a esfera celeste era o domínio dos deuses. O aparecimento inesperado de um
    objeto desconhecido que dominava a noite era motivo de medo e misticismo. Por isso,
    os Maias construíram observatórios dedicados a estudar os fenômenos.


    Eles queriam entender seus movimentos imprevisíveis no céu, especialmente depois de terem estabelecido as posições dos planetas e das estrelas.

    Um perigo eminente nos obrigaria a construir um nível de cooperação mundial, a
    estabelecer um sistema de comando e controle acima dos países e uma estrutura
    de comunicação mundial.


    Seriam a única maneira pela qual os países abririam mão de sua
    soberania a uma organização como as Nações Unidas, dando origem a um governo
    mundial para o bem comum.


    Seria um caminho para aprender a transcender a separação que é a base de nossa sociedade.



    A 7a profecia Maia nos mostra uma evolução espiritual do ser humano conciente
    sobre suas ações, amigo do meio ambiente e de toda a coletividade:


    Nos fala do momento em que o Sistema Solar, em
    seu giro cíclico, sai da noite para entrar no amanhecer da galáxia.


    Ela nos fala que nos 13 anos que vão desde 1999 até 2012, a luz emitida desde o centro da
    galáxia sincroniza todos os seres vivos e permite a eles concordar
    voluntariamente, com uma transformação interna que produz novas realidades e em
    que todos os seres humanos têm a oportunidade de mudar e romper suas limitações
    através do pensamento.


    Os seres humanos que voluntariamente encontrarem seu estado de paz interior,
    elevando sua energia vital, levando sua freqüência de vibração interior do medo
    para o amor, poderão captar e se expressar através do pensamento e com ele
    florescerá o novo sentido.


    A energia adicional do raio emitido por Hunab Ku (Centro da Galáxia) ativará o código genético
    de origem divina nos seres humanos que estejam em alta freqüência de vibração,
    e neste sentido ampliará a consciência de todos os seres humanos gerando uma
    nova realidade individual, coletiva e universal.


    Os Maias afirmam que uma das maiores transformações ocorrerá a nível planetário, por que
    todos os homens conectados entre si como um só todo, darão nascimento a um novo
    ser na ordem galáctica.


    A reintegração das consciências individuais de milhões de seres humanos despertará
    uma nova consciência, na qual todos entenderão que fazem parte de um mesmo e
    único organismo gigantesco.


    A possibilidade da capacidade de ler o pensamento entre os humanos revolucionará
    totalmente a civilização, já que desaparecerão todos os limites, terminará a
    mentira para sempre, pois, ninguém poderá ocultar nada.


    Começará, então, uma época de transparência e de luz que não poderá ser ocultada por nenhuma violência ou emoção negativa.

    Desaparecerão as leis e controles externos como a polícia e o exército porque cada ser se
    fará responsável por seus atos, não sendo preciso implementar nenhum direito ou
    dever pela força.


    Será formado um governo mundial e harmônico com os seres mais sábios e evoluídos do
    planeta; não existirão fronteiras nem nacionalidades; terminarão os limites
    impostos pela propriedade privada e não será necessário dinheiro como maneira
    de intercambio;


    Serão implementadas tecnologias para o controle da luz e da energia e com elas se
    transformará a matéria produzindo de maneira simples tudo o que for necessário,
    dando um basta à pobreza para sempre.


    A excelência e o desenvolvimento espiritual serão os resultados de seres em harmonia que produzam a atividade com o que vibram de mais alto. Ao agir assim, eles expandirão sua compreensão sobre a ordem universal.

    Com a comunicação através do pensamento, haverá um supersistema imunológico que eliminará
    as baixas vibrações do medo, produzidas pelas enfermidades, prolongando a vida
    dos humanos.


    A nova era não precisará da aprendizagem inversa, produzida pelas doenças e
    sofrimentos que caracterizaram os últimos milhares de anos da história.


    Os serem humanos que consciente e voluntariamente encontrarem a paz interior,
    entrarão em uma nova época de aprendizagem pelo contraste harmônico, onde a
    comunicação e a reintegração farão com que as experiências e lembranças
    individuais e os conhecimentos adquiridos sejam disponíveis, sem egoísmo, para
    todos os outros.


    Será como uma internet em nível mental que multiplicará exponencialmente a
    velocidade das descobertas e serão criadas sinergias nunca antes imaginadas.
    Terminarão os julgamentos e os valores morais que mudam com o tempo, como a
    moda. Entenderemos que todos os atos na vida são uma maneira de alcançar uma
    maior compreensão e harmonia.


    O respeito será o elemento fundamental da cultura. Transformará o individuo e a comunidade
    e dará à humanidade a oportunidade de expandir-se pela Galáxia. As
    manifestações artísticas, as ocupações estéticas e as atividades recreativas comunitárias
    ocuparão a mente do ser humano.


    Milhares de anos fundamentados na separação entre os homens que adoraram um Deus que
    julga e castiga, irão se transformar para sempre. O Ser Humano viverá a
    primavera galáctica, o florescimento de uma nova realidade baseada na
    reintegração com o planeta e com todos os seres humanos.


    Neste momento, compreenderemos que somos parte de um único organismo
    gigantesco e iremos nos conectar com a Terra, uns com os outros, com nosso Sol
    e com a Galáxia inteira. Todos os seres humanos entenderão que os reinos:
    mineral, vegetal e animal e toda a matéria espalhada pelo Universo em todas as
    escalas, desde um átomo até uma Galáxia são seres vivos com uma consciência
    evolutiva.


    A partir do sábado, 22 de dezembro de 2012 (???), todas as relações serão baseadas na tolerância e na flexibilidade, porque o homem sentirá os outros seres como parte de si mesmos.

    Nós vimos acima as mensagens de alerta e esperança contidas em 7 profecias, que eles deixaram para todos os habitantes do planeta Terra desta época.

    A Cultura Galáctica vem em Paz! Paz em todos os quadrantes!

    Notas:
    1. Profecia não é "determinismo", mas "tendência". É um
    alerta, prognóstico, previsão. É o resultado demonstrado de acordo com o levantamento feito em uma situação, em um dado momento. Este "resultado previsto" pode ser alterado, caso
    sejam feitas as correções necessárias indicadas. Profecia não é para "paralisar" pelo
    medo, ou pelo desânimo, mas sim para nos impulsionar na busca da correção das
    "velas" para atingir o "rumo" certo e chegar a um "porto seguro".


    2. Datas sempre mudam, pois nada é estático. Tudo é energia. Tudo vibra. Tudo muda, momento
    a momento, em resposta às novas energias resultantes de novas ações e realizações.


    3. Não sou o autor do texto acima. Apenas o compilei a partir de mensagem recebida do Newton
    Bastos.


    4. As fontes do texto acima, além dos escritos deixados por este povo, poderão, na
    sua grande maioria, ser encontradas registradas no íntimo de cada um de nós, na
    nossa "memória" interna, não precisando de muito esforço de
    concentração ou associação de fatos conhecidos e já lidos, vistos, ouvidos e/ou
    percebidos, não sendo, por isso, necessário o aval de nenhum ser vivente, ou já
    falecido, na história desta humanidade.


    5. Este texto tenho certeza, poderá ser reproduzido e divulgado livremente, já que é um
    legado deixado pelos Maias para as gerações sucessoras, não existindo nenhum
    tipo de "direito autoral" ou "registro de propriedade
    intelectual" sobre o mesmo.


    In Lak'ech (cumprimento Maia que quer dizer: "Eu Sou o outro você").

    Fonte: Webartigos.com | Textos e artigos gratuitos, conteúdo livre para reprodução.
    avatar
    Fco Oliveira
    Admin

    Mensagens : 1360
    Reputação : -1
    Data de inscrição : 13/07/2009
    Idade : 54
    Localização : Catanduva São Paulo

    http://gideoes-ccb.forumeiros.com

    Voltar ao Topo Ir em baixo

    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

    - Tópicos similares

     
    Permissão deste fórum:
    Você não pode responder aos tópicos neste fórum