Gideões da CCB Livre de Religião.
Buscar
 
 

Resultados por:
 

 


Rechercher Busca avançada

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Outubro 2017
SegTerQuaQuiSexSabDom
      1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031     

Calendário Calendário

Estatísticas
Temos 1265 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de Isaías Oliveira

Os nossos membros postaram um total de 1749 mensagens em 570 assuntos
Anuncios

    Não há anúncios disponíveis.


    Os Deuses dos Árabes e seu Profeta Maomé.

    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

    Os Deuses dos Árabes e seu Profeta Maomé.

    Mensagem por Fco Oliveira em Ter Mar 24, 2015 9:29 pm



    Antes do Islã na Península Arábica em 622, o centro físico do islã, a Caaba de Meca, estava coberto de símbolos que representam os demônios inumeráveis, djinn, semideuses e outras criaturas sortidas que representava o ambiente profundamente politeísta pré-islâmica da antiga Arábia. 

    Podemos inferir a partir desta pluralidade um contexto excepcionalmente amplo em que a mitologia pode florescer. 

    Histórias de gênios, ghouls, lâmpadas mágicas, tapetes voadores, e os desejos contidos nos contos das Mil e Uma Noites e outras obras foram transmitidos através das gerações. 
    PRINCIPAIS DEUSES ANTERIORES AO ISLÃ


     Hubal (em árabe: هبل) - Considerado como o Deus dos Deuses e um dos mais notáveis, o ídolo de Hubal estava perto da Caaba em Meca, e foi feito de ágata vermelha, e em forma de um humano, mas com a mão direita quebrada e substituída por uma mão de ouro.


    Allat (em árabe: اللات) - A Deusa da lua árabe, que foi uma das três principais Deusas de Meca.

    Al-Uzza (em árabe: العزى) - Era Deusa da fertilidade, que foi uma das três principais Deusas de Meca, os árabes só rezavam á ela ou Hubal á pedido de proteção e vitória, antes de qualquer guerra, para mostrar como ela era importante.

    Manata (em árabe: منات) - Foi uma das três principais deusas de Meca, os árabes acreditavam ser a Deusa do destino. O Livro dos Ídolos descreve que Manata foi a mais antiga de todos esses ídolos. 

    Os árabes usavam seu nome para nomear seus filhos: 'Abd-Manata e Zayd-Manata. Manata foi erguida à beira-mar nos arredores de al-Mushallal em Qudayd, entre Medina e Meca. Os àrabes rezavam á Deusa para pedir proteção em suas peregrinações. 

    No final da peregrinação, no entanto, quando eles estavam prestes a voltar para casa, eles teriam se estabelecido no local onde ficava Manata, para raspar a cabeça, e ficar lá um tempo. Eles não consideram sua peregrinação concluída até eles visitaram Manata.

    Manaf (em árabe: مناف) - A estátua de Manaf foi acariciada por mulheres, mas houve períodos que não foram autorizadas a aproximar-se.
    Wadd (em árabe: واد) - Deus de amor e amizade. Cobras são animais sagrados por quausa de Wadd.
    Amm (em árabe: أم) - Ele foi venerado como Deus do tempo, como seus atributos incluídos relâmpagos.
    Ta'lab (em árabe: طالب) - Um Deus adorado na Arábia do Sul, particularmente no Sabá. Ta'lab era o Deus da lua.
    Dhu'l-Halasa (em árabe: ذو الحلاس) - É um Deus oracular do sul da Arábia. Ele era venerado sob a forma de uma pedra branca.
    Al-Qaum (em árabe: القوم) - Era o Deus da guerra e da noite, e guardião de caravanas.
    Dushara (em árabe: ذو شرى) - Era o Deus Nabataean seu nome significa "Senhor da Montanha" 
    ESPÍRITOS E MONSTROS


    Marid (em árabe: مارد) - Marids são frequentemente descritos como o tipo mais poderoso de djinn, tendo poderes especialmente grande. Eles são os mais arrogantes e orgulhosos também. Como todos os djinn, eles têm o livre arbítrio, porém poderiam ser obrigados a executar certas tarefas. 

    Eles também têm a capacidade de conceder desejos aos mortais, mas geralmente isso requer batalha, e de acordo com algumas fontes, certos rituais, ou apenas uma grande quantidade de bajulação.
    Ifrit (em árabe: عفريت) - É uma classe de gênios infernais, espíritos abaixo do nível de anjos e demônios, conhecidos por sua força e astúcia. Um ifrit é uma enorme criatura alada de fogo, masculino ou feminino, que vive no subsolo e frequenta as ruínas. 
    Ifrits vivem em uma sociedade estruturada ao longo de antigas linhas árabes tribais, com reis, tribos e clãs. Eles geralmente se casam com um outro, mas eles também podem se casar com o homem. 
    Apesar das armas e forças normais não terem poder sobre elas, são suscetíveis à magia, que os seres humanos podem usar para mata-los, captura-los ou escravizá-los. Tal como acontece com os gênios, um ifrit pode ser um crente ou descrente, bem ou mal, mas ele é mais frequentemente descrito como um ser perverso e cruel.
    Jinn (em árabe: جن) - É uma criatura sobrenatural que tem livre arbítrio, e pode ser bom ou mau. Em alguns casos, os gênios do mal são vistos como seres humanos extraviados.
    Nasnas (em árabe: نسناس) - É um monstro "meio ser humano, tendo uma meia cabeça, metade de um corpo, um braço, uma perna, com a qual luta com muita agilidade". Acreditava-se ser descendentes de um demônio chamado shikk e um ser humano
    Ghoul (em árabe: غول) - É um morador do deserto, demônio que pode assumir a aparência de um animal, especialmente uma hiena. Ele atrai viajantes incautos para o deserto para matar e devorá-los. 
    A criatura também pega crianças pequenas, rouba sepulturas, bebe sangue, e come os mortos tomando a forma de um que já comeu. Por causa do último habito, o espírito da palavra é por vezes utilizado para se referir a um ser humano comum, como um ladrão de túmulos, ou a qualquer um que se delicia com coisas macabras.

    Bahamut (em árabe: بهموت Bahamut) - É um peixe grande que pode viver na terra, às vezes descrito como tendo uma cabeça semelhante a de um hipopótamo ou elefante.
      
    MAOMÉ E O ISLÂ
     
    O Islamismo teve inicio quando um jovem árabe ficou revoltado com o poder exercido em Meca, um influente centro de adoração no oriente médio, onde existe a Caaba, que segundo a tradição islâmica foi originalmente construída por Adão, seguindo um protótipo celestial e depois do dilúvio reconstruída por Abraão e Ismael, seu filho com uma serva egípcia chamada Agar. Trata-se de um edifício em forma de cubo onde se reverencia um meteorito negro. 
    Incomodado e descontente com os ensinos da religião árabe, como o politeísmo e animismo, a imoralidade nas assembleias, as bebedeiras, jogatinas e danças, o sepultamento em vida de bebês do sexo feminino indesejados, entre outras coisas, este jovem que tinha o costume de ir a uma caverna meditar, afirmou que numa destas ocasiões recebeu um chamado de Deus para ser profeta. 
    Segundo a tradição mulçumana, um anjo chamado Gabriel lhe revelou a vontade divina. Depois de treze anos de perseguição por parte dos líderes religiosos árabes, ele transferiu seu centro de atividades de Meca para Medina ao norte. 
    Esta emigração tornou-se um marco importante na história islâmica, sendo esta data (622) o ponto de partida no seu calendário. Com o tempo Maomé como já era conhecido obteve domínio sobre Medina, tanto religioso como político. 
    Daí em diante Maomé reunificou as tribos árabes, nascendo assim uma doutrina religiosa ensinando a submissão a Alá, um Deus único e todo poderoso que escolheu Maomé como seu principal profeta, e o conjunto de seus escritos, 
    o Alcorão, como seu livro sagrado. Parecido com a fé cristã em alguns de seus ensinos, como de um Deus único, um livro sagrado e incentivo a uma vida devota a Deus, tal crença conquistou bilhões de adeptos, influenciando a vida e a religiosidade destas pessoas (Karen Armstrong, A History of God. Ballatine Books, 1993. ISBN 0-345-38456-3).
    avatar
    Fco Oliveira
    Admin

    Mensagens : 1363
    Reputação : -1
    Data de inscrição : 13/07/2009
    Idade : 55
    Localização : Catanduva São Paulo

    http://gideoes-ccb.forumeiros.com

    Voltar ao Topo Ir em baixo

    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

    - Tópicos similares

     
    Permissão deste fórum:
    Você não pode responder aos tópicos neste fórum