Gideões da CCB Livre de Religião.
Buscar
 
 

Resultados por:
 

 


Rechercher Busca avançada

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Agosto 2017
SegTerQuaQuiSexSabDom
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031   

Calendário Calendário

Estatísticas
Temos 1257 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de sendovisto

Os nossos membros postaram um total de 1743 mensagens em 566 assuntos
Anuncios

    Não há anúncios disponíveis.


    Mudança nos Doze Ponta da Doutrina da CCB!

    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

    Mudança nos Doze Ponta da Doutrina da CCB!

    Mensagem por Fco Oliveira em Seg Mar 11, 2013 8:14 pm



    O hinário 5 trouxe novos hinos e também nos apresentou uma nova edição dos pontos de doutrina e fé da CCB, o que vem provocando muita controvérsia entre nós membros.

    Comentaremos a respeito do artigo 2:

    Hinário 4: “2. Nós cremos que há um só Deus vivente e verdadeiro, eterno e de infinito poder, Criador de todas as coisas, [em cuja unidade há três pessoas distintas]; o Pai, o Filho e o Espírito Santo. (Ef., 4:6; Mat., 28:19; I João, 5:7)”

    Hinário 5: “2. Nós cremos que há um só Deus vivente e verdadeiro, eterno e de infinito poder, Criador de todas as coisas, [em cuja unidade estão] o Pai, o Filho e o Espírito Santo. (Efésios, 4:6; Mateus, 28:19; I João, 5:7)”

    A afirmação “há três pessoas distintas” foi substituída pelo verbo “estão”. Entre os que já estavam atentos à edição, há os que são contrários e argumentam que a Declaração ficou indefinida podendo ser confundida com o credo unicista; e os que são favoráveis e argumentam que o texto ficou melhor, mais objetivo e não deixa nenhuma dúvida.

    Os últimos negam que existe confusão porque para ser uma Declaração Unicista o verbo estaria no singular. Para estes o verbo na 3ª pessoa do plural resolve todos os problemas porque “Ao dizer “estão” em vez de está (singular), reforça-se a pluralidade de pessoas” . (apologiadidacheccb.blogspot.com.br)

    Precisamos definir o que é credo trinitarista e unicista:
    Nós trinitaristas cremos no único Deus em cuja unidade há três pessoas divinas distinguindo o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Doutrina da Trindade).

    Os unicistas creem no único Deus em cuja unidade há três manifestações divinas sem fazer distinção entre o Pai, o Filho e o Espírito Santo (Doutrina da Unicidade).

    Ao ler o 2º ponto de doutrina no Hinário 5, o trinitarista entenderá: “…em cuja unidade estão [as pessoas divinas:] o Pai, o Filho e o Espírito Santo”; Enquanto o unicista ao ler o mesmo artigo entenderá: “…em cuja unidade estão [as manifestações divinas:] o Pai, o Filho e o Espírito Santo”.

    A redação permite duas interpretações:
    Já mostrado que o argumento dos que são contrários à edição dos pontos de doutrina é consistente, vamos atrás de derrubar os argumentos dos que são favoráveis:



    1. O “estão” já diz tudo:

    Ao dizer “estão” (plural) em vez de está (singular), reforça-se a pluralidade de pessoas (ou coisas) - Esta é a regra, porém para toda regra existem exceções. Vejamos:

    “As três coisas que mais amo na vida são: você, você e você” – Aqui o verbo foi usado no plural não para indicar pluralidade de pessoas, e sim para indicar o grau, a intensidade do amor por uma pessoa.

    “No banco está sentada Maria e seus dois irmãos” – Quantas pessoas estão sentadas no banco? Três pessoas e, no entanto, o verbo está no singular.
    Vejam como escrevi com o verbo no singular como também poderia ter escrito no plural:

    “Então na Bíblia haveria a inspiração divina, a inspiração diabólica e a inspiração humana; estaria O Criador, a criatura e o Mentiroso falando pelas Escrituras” (Blog Bereiano – “Ricardo x Romário”)

    2. Sem dúvida ou confusão:

    “Os amores da minha vida são: a funcionária da pizzaria, minha mulher e a mãe dos meus filhos” – De quantas pessoas estou falando? Quem me conhece poderá confirmar que estou falando de uma pessoa apenas, mas quem não me conhece não poderá assegurar isto, o mínimo raciocínio o fará especular:

    A funcionária da pizzaria é uma amante? A mãe de seus filhos é ex-mulher? Este que não me conhece precisaria fazer uma pesquisa para saber a quantas mulheres me refiro.

    O mesmo acontecerá quando um pesquisador que, não conhece a CCB, ler o artigo isoladamente, ele não saberá – nem poderá – dizer se nossa igreja é trinitarista ou unicista, pois, agora, o texto deixou de ser específico, precisando examinar outros pontos ou aspectos da CCB para então classificá-la.

    O artigo deve ser direto e categórico e não subjuntivo.
    A Declaração de Fé é a carteira de identidade da igreja, necessita mostrar a face e não o perfil ou de costas.



    3. Unicista só no singular:

    Para ser uma Declaração unicista o verbo obrigatoriamente estaria no singular ficando: “…em cuja unidade está o Pai, o Filho e o Espírito Santo”. É aqui que caem feio do cavalo; Nossa Declaração Trinitarista no hinário 4, foi redigida com o verbo no singular: “em cuja unidade há (está; [co]existe) três pessoas distintas”;

    Segundo os argumentos apresentados, para estar correta ela deveria ter sido escrita no plural: “em cuja unidade hão (estão; [co]existem) três pessoas distintas”.
    É tudo uma questão com o que o verbo vai concordar, vocês não concordam?

    E para verem como são as coisas, ao digitar o texto atual do 2º ponto de doutrina, o ‘Word’ grifou em verde o “estão” e sugeriu para colocar “está”, façam o teste.
    A edição histórica é precisa enquanto a editada é subjetiva.

    Eu já tinha comentado a respeito do 1º ponto: “Caríssimos, isto não se trata de um ‘joguinho de palavras’ como afirmarão e defenderão muitos, se trata da nossa fé. Não é a língua portuguesa que estamos discutindo, e sim a posição teológica embandeirada em cada declaração” (Bereiano em “Mudança do 1º Ponto de Doutrina – Seja anátema”).

    Reflexão. Os irmãos se lembram daquela típica pergunta da aula de português: “Onde está o sujeito na frase?” – Eu pergunto (referindo-me à expressão): “Onde estão as três pessoas distintas?”

    No verbo é que não “estão”! A expressão é característica e reconhecidamente trinitariana. Se aceitamos e professamos a Doutrina da Trindade, por que não aceitamos e mudamos o que dela está convencionado há mais de 1500 anos?



    As pessoas distintas e a edição desonesta:

    Comentamos anteriormente que a nova redação do 2° ponto de fé permite a confusão com o credo unicista e que são frágeis os argumentos dos que são favoráveis à mudança.

    Porém não foi discutido porque o artigo precisou ser editado, o que só podemos fazer sob especulações porque a razão disso tudo nos foi ocultada. Ao meu ver, foi uma medida desnecessária.

    No que a expressão “há três pessoas distintas” teria incomodado o Conselho de Anciães a ponto de retirá-la do artigo?
    Tão controversa quanto a edição do ponto de doutrina é a própria doutrina da Trindade, muitos tentam refutá-la como não sendo uma autêntica doutrina bíblica mas uma invenção papal e católica;

    A CCB poderia estar tentando evitar a polêmica universal que envolve a crença na trindade. Em fóruns de debates que participei muito irmãos se declararam unicistas e, até mesmo, unitarianos*.

    Percebi ali uma Torre de Babel doutrinária! Houve quem denunciasse haver irmãos maçons entre a irmandade e no ministério. Veja também (aqui) o que o irmão Ednelson (Ekklésia Cristiana) respondeu ao comentarista Benício quanto este exclamou:

    “daqui uns tempos irão colocar gays para exercerem o ministério também”. O que percebemos é que não há unidade doutrinária nem entre a irmandade, nem entre o ministério.

    *Os unitários, quem professa o unitarismo (ou unitarianismo) não devem ser confundidos com os Unicistas. Os primeiros entendem que Deus é um e único, o Pai de Jesus Cristo (Ao exemplo das Testemunhas de Jeová).

    Já os Unicistas entendem que o Pai, o Filho e o Espírito são apenas manifestações diferentes do mesmo Deus. (Wikipédia) O Conselho de Anciães nos passa a impressão de que não são seguros para explicar e ensinar a trindade;

    Portanto, intencionalmente teria deixado vaga a Declaração e incerta a nossa posição teológica, tentando conciliar os credos redigindo uma redação que agradaria tanto os trinitaristas como os unicistas – Em unidade estão O Pai, o Filho e o Espírito Santo, mas sem dizer como e aí cada um crê à sua maneira:



    “Mensagem subliminar: Irmão, se preocupa em servir a Deus".

    Se o irmão considera que a Bíblia é a Palavra de Deus, pode crer desta forma, se teu irmão crê que ela contém, deixe-o crer dessa forma. Ninguém vai perder a salvação por causa disso.

    Nos somos todos imperfeitos, mas o que fazemos de coração para o Senhor, Deus se agrada, o que Deus não se agrada é de criarmos contenda” (em “A contenda por causa do ‘contendo’”)

    A unidade na CCB viria dos usos e costumes e da cultura oral; seria apenas na aparência e não na essência.

    Por isso, admite-se a pluralidade de credos internamente e não se reconhece externamente os crentes de outras igrejas, mesmo sendo trinitaristas, como verdadeiros irmãos na fé.

    Se as ” três pessoas são distintas” (que não se confunde com outra) essa posição passiva e conciliadora do Conselho de Anciães não é nada distinta (clara; bem inteligível; nobre; honesta), ao contrário, é desonesta e perniciosa.

    Desonesta porque foi feita às escuras, sem convenção, sem comunicação! Perniciosa porque, ao contrário do que diz nossa cultura oral, a salvação não é estar na Congregação – É professar a fé verdadeira.

    Quanto a Doutrina da Trindade ser legítima e bíblica, não será preciso comentar! O texto “2º Ponto Doutrinário: Doutrina da Trindade” do nosso irmão Romário Cardoso que pretendia, ou esperávamos que fosse uma defesa a favor da mudança, na verdade é uma explanação perfeita e ‘plausível’ da Doutrina da Trindade e uma perfeita refutação ao Unicismo.

    Conclusão: O Conselho de Anciães do Brás agindo desonestamente, obscura e conciliadoramente (politicamente) retirou as “três pessoas distintas” do texto do artigo de fé, com um só propósito: perpetuar a confusão bíblica sobre a trindade e abraçar os dois lados do credo do povo.

    Ao querer evitar a polêmica externa e universal, criou uma controvérsia interna e denominacional; Ao querer conciliar credos diferentes, acabará por dividir a irmandade co-eleita.

    Pois, o Ministério já tinha conhecimento destes dois grupo de irmãos que congregam na mesma denominação CCB e que tem fé nos dois credo: 1- que acreditam nas três pessoas distinta e 2- que acreditam que na unidade do Pai estão as três Manifestações Divino do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

    O Brás com este Novo Ponto de Doutrina da CCB, só ajuntou o útil com o agradável! Assim perpetua o Mistério do pai da mentira, na trindade que ninguém sabe explicar com clareza e agradou os irmãos Unicistas inconformados, que já estão incorporado no corpo da igreja. Por que? Para o Ministério do Brás, membros é dinheiro!
    avatar
    Fco Oliveira
    Admin

    Mensagens : 1360
    Reputação : -1
    Data de inscrição : 13/07/2009
    Idade : 55
    Localização : Catanduva São Paulo

    http://gideoes-ccb.forumeiros.com

    Voltar ao Topo Ir em baixo

    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

    - Tópicos similares

     
    Permissão deste fórum:
    Você não pode responder aos tópicos neste fórum