Gideões da CCB Livre de Religião.
Buscar
 
 

Resultados por:
 

 


Rechercher Busca avançada

Navegação
 Portal
 Índice
 Membros
 Perfil
 FAQ
 Buscar
Julho 2017
SegTerQuaQuiSexSabDom
     12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31      

Calendário Calendário

Estatísticas
Temos 1253 usuários registrados
O último usuário registrado atende pelo nome de EXCCB

Os nossos membros postaram um total de 1729 mensagens em 557 assuntos
Anuncios

    Não há anúncios disponíveis.


    A Maior Descoberta Arqueológica do Momento!

    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

    A Maior Descoberta Arqueológica do Momento!

    Mensagem por Fco Oliveira em Qui Ago 18, 2011 1:07 pm




    A “maior descoberta da história da arqueologia” pode revelar principais segredos do Cristianismo


    fONTE: http://www.anoticiagospel.com.br/2011/03/a-%E2%80%9Cmaior-descoberta-da-historia-da-arqueologia%E2%80%9D-pode-revelar-principais-segredos-do-cristianismo/

    On 03.31.11, In Notícias, by Odair

    Livros feitos de metal parecem ser dos
    primórdios do cristianismo e estão em posse de beduíno israelense. O
    governo da Jordânia tenta repatriar livros feitos de chumbo que, segundo
    suspeitas de especialistas, parecem ser os mais antigos da história
    cristã, tendo sobrevivido quase 2 mil anos em uma caverna do país do
    Oriente Médio. As [...]


                       



    Livros feitos de metal parecem ser dos primórdios do cristianismo e estão em posse de beduíno israelense.

    O governo da Jordânia tenta repatriar livros feitos de chumbo que,
    segundo suspeitas de especialistas, parecem ser os mais antigos da
    história cristã, tendo sobrevivido quase 2 mil anos em uma caverna do
    país do Oriente Médio.



    As relíquias, que estão atualmente em Israel, poderiam trazer à luz
    novos dados para nosso entendimento sobre o nascimento do cristianismo e
    sobre a crucificação e a ressurreição de Jesus Cristo.



    O conjunto de cerca de 70 livros – cada um com entre 5 e 15 “folhas”
    de chumbo presas por aros de chumbo – foi aparentemente descoberto em um
    vale remoto e árido no norte da Jordânia, entre 2005 e 2007.

    Uma enchente expôs dois nichos dentro da caverna, um deles marcado com um menorá, candelabro que é símbolo do judaísmo.



    Um beduíno jordaniano abriu os nichos e o que encontrou ali dentro
    parece ser uma extremamente rara relíquia dos primórdios do
    cristianismo.

    Essa é a visão do governo da Jordânia, que alega que os livros foram contrabandeados para Israel por outro beduíno.



    O beduíno israelense que atualmente guarda os livros nega tê-los
    contrabandeado e alega que as antiguidades são peças que sua família
    possui há cem anos.

    O governo jordaniano disse que fará “todos os esforços, em todos os níveis” para repatriar as relíquias.

    Valor histórico

    O diretor do Departamento de Antiguidades da Jordânia, Ziad Al-Saad, diz
    que os livros parecem ter sido feitos por seguidores de Jesus nas
    décadas seguintes a sua crucificação.

    “Talvez eles sejam mais significativos que os pergaminhos do Mar
    Morto (relíquias descobertas nos anos 1940 que contêm textos bíblicos)”,
    disse Saad.



    “Talvez eles precisem de mais interpretação e conferência de
    autenticidade, mas a informação inicial é muito animadora. Parece que
    estamos diante de uma descoberta importante e significativa, talvez a
    mais importante da história da arqueologia.”

    Ante alegações tão fortes, quais são as provas?

    As “folhas” dos livros – a maioria delas do tamanho de um cartão de
    crédito – contêm textos escritos em hebraico antigo, a maior parte em
    código. Se as relíquias forem de fato de origens cristãs, em vez de
    judaicas, são de grande significado.



    Um dos poucos a ter visto a coleção é David Elkington, acadêmico que
    estuda arqueologia religiosa e líder de uma equipe britânica empenhada
    em levar os livros a um museu na Jordânia.

    Elkington alega que os livros podem ser “a maior descoberta da história cristã”.

    “É de tirar o fôlego a ideia que tenhamos contato com objetos que podem ter sido portados pelos primeiros santos da Igreja.”

    O acadêmico diz que as relíquias contêm sinais que seriam interpretados,
    pelos cristãos da época, como imagens de Jesus e de Deus e da “chegada
    do messias”.

    Na “capa” de um dos livros “vemos o menorá de sete ramificações, o que
    os judeus eram proibidos de representar porque ele residia no local mais
    sagrado do templo, na presença de Deus”, explica Elkington. “Assim,
    temos a vinda do messias para obter a legitimidade de Deus.”



    Para Philip Davies, professor emérito de estudos do Velho Testamento
    da Universidade de Sheffield, afirma que a prova mais contundente da
    origem cristã das relíquias está em um mapa feito da cidade sagrada de
    Jerusalém.

    “Há uma cruz em primeiro plano e, atrás dela, está o que seria a
    tumba (de Jesus), um pequeno edifício com uma abertura e as muralhas da
    cidade.



    Outras muralhas representadas em outras páginas dos livros quase
    certamente se referem a Jerusalém”, diz Davies, que afirma ter ficado
    “estupefato” com as imagens, “claramente cristãs”.

    A cruz é o que mais chama a atenção dos especialistas, feita no
    formato de um T maiúsculo, como eram as cruzes que os romanos usavam
    para crucificações.



    “É uma crucificação ocorrida fora dos muros da cidade”, diz Davies.

    Margaret Barker, especialista em história do Novo Testamento,
    ressalta que o local onde acredita-se que as relíquias tenham sido
    encontradas denota sua origem cristã – e não puramente judaica.

    “Sabemos que, em duas ocasiões, grupos de refugiados dos distúrbios em
    Jerusalém rumaram a leste, atravessaram a Jordânia perto de Jericó e
    foram para perto de onde esses livros parecem ter sido achados.”

    Ela acrescenta que outra prova da “proveniência cristã” é que as
    relíquias são em formato de livros, e não de pergaminhos.



    “Os cristãos
    eram particularmente associados com a escrita na forma de livros e
    guardavam os livros como parte da secreta tradição do início do
    cristianismo.”

    O Livro das Revelações se refere a esses textos guardados.

    Outro possível elo com a Bíblia está contido em um dos poucos fragmentos
    de texto que foram traduzidos das relíquias. O fragmento, acompanhado
    da imagem do menorá, diz: “Devo andar honradamente”, frase que também
    aparece no Livro das Revelações.

    Ainda que a frase possa simplesmente significar um sentimento comum no judaísmo, pode também se referir à ressurreição.



    Testes Não está esclarecido se todos os artefatos descobertos são parte do
    mesmo período, mas testes feitos no chumbo corroído dos livros indica
    que eles não foram feitos recentemente.

    A arqueologia dos primórdios do cristianismo é especialmente esparsa
    ainda. Pouco se sabe dos desdobramentos após a crucificação de Jesus até
    as cartas escritas por Paulo, décadas mais tarde.

    A história contida nas relíquias parecem ser, assim, a descoberta de
    maior escala até agora dessa época do cristianismo, em sua terra de
    origem e em seus primórdios.



    Fonte: BBC Brasil


    Última edição por Gideão da CCB Livre em Qui Mar 20, 2014 10:04 pm, editado 1 vez(es)
    avatar
    Fco Oliveira
    Admin

    Mensagens : 1360
    Reputação : -1
    Data de inscrição : 13/07/2009
    Idade : 55
    Localização : Catanduva São Paulo

    http://gideoes-ccb.forumeiros.com

    Voltar ao Topo Ir em baixo

    Re: A Maior Descoberta Arqueológica do Momento!

    Mensagem por Fco Oliveira em Qui Ago 18, 2011 1:39 pm


    AS MENTIRAS DA BÍBLIA: YESHUA/JESUS NUNCA FOI CRUCIFICADO!










    Destruindo a mitologia da redenção, Crucificação de
    Cristo , Ressurreição no terceiro dia; tudo isto nunca aconteceu com
    nenhum ser humano e sim com o Astro Sol, estes nomes: Yeshua, Jesus,
    Yehoshua, Yahushua, Yaohushua, Yaheshua, Mitra, Horus, Tammuz etc,
    todos são personagens deste Messias Solar.

    TODOS ESTES ESCRITOS PODEM SER VERDADEIROS, MAS NÃO FALA DE NENHUM SER HUMANO MORTO NA CRUZ E SIM DO DEUS SOL INVICTO!
    Por Karls Eduardo. Bacharel em teologia e Missionario islamico da organização da arabia saudita Edialogue.

    " E tu tem nos salvado por teu sangue eterno derramando" [Texto na parede de um Templo Mitraico em Roma]

    Escrevi o primeiro texto sobre este assunto a quase 8 anos atrás hoje
    vem a segunda parte tentando trazer novos elementos já que neste
    últimos anos este assunto apareceu em vários locais.

    Vivemos diante de inúmeras mentiras da gangue ocidental, todo dia
    aparece várias falsas notícias plantadas , estas mentiras são uma
    tradição da cultura ocidental que produziu por exemplo o nazismo um
    movimento cem porcento midiático e de propaganda.

    Porém, essas são minusculas perto da maior mentira já contada: o cristianismo romano.
    Vamos ver como esta falsa religião inventada em Roma é sustentada há
    séculos por meios de comunicação, programas, filmes e burgueses
    ocidentais que têm mantido por milênios este culto pagão ao Deus sol
    como também no passado mantiveram o culto a outros Redentores pagãos
    para controlar as massas.

    Nenhum Jesus histórico jamais foi crucifixado.
    A cruz é um primitivo simbolo pagão relacionado a crenças pagãs
    astrológicas sendo encontrada em praticamente todas as religiões pagãs
    anteriores ao cristianismo romano.

    Em Roma, se anexou o mito da cruz com o Mestre da justiça dos nazarenos
    criando um duplo absurdo: o de um mito histórico jamais comprovado e o
    de um Mestre blasfemado como um Deus sol pagão.

    Confira os Estudos abaixo:
    1- Roma não "crucificava" ninguém
    2- Como surgiu o mito religioso do Deus sol invictus.
    3- As várias cruzes encontradas no paganismo anterior ao cristianismo.
    4- Alguns redentores cruxificados
    5- O Redentor pagão sempre esta no meio de outros dois.
    6- Como e porque foi criado o termo pagão "Jesus"
    7- Cristianismo romano é o própio mitrianismo com um novo nome.
    8- As infantis refutações do cristianismo Romano.
    9- Conclusão




    O Deus salvador Osiris segurando duas cruzes

    ==1- Roma não "crucificava" ninguém==
    No mito da crucificação foi se além e ensinaram falsamente que Roma
    "crucifixava" pessoas como pena de morte, o que é falso. Roma tinha pena
    de morte que era de pregar pessoas em estacas e depois deixar o corpo
    aberto ou preso à árvores ou a madeiras, exibindo o morto ou semimorto;
    a forma em cruz, é mito histórico para justificar crenças
    pagãs astrológicas.

    Assume o Teólogo Cristão Gunnar Samuelsson da universidade de Gothenburg :

    "O problema é que as descrições de crucificações são
    notavelmente ausentes na literatura antiga. As fontes de onde você
    esperaria encontrar suporte para um entendimento estabilizado do evento
    realmente não dizem nada."


    ==2- Como surgiu o mito religioso do Deus sol invictus.==
    No início os astros: estrelas, pedras, animais e plantas, eram adorados
    como Deuses, destes o Sol era o mais cultuado por trazer luz, calor,
    colheitas e etc.

    Quando chega dia 22 de dezembro temos o solstício de Inverno (no
    hemisfério norte), simbolizando a morte do sol. O sol, tendo-se movido
    continuamente para o sul durante 6 meses, faz com que atinja o seu
    ponto mais baixo no céu. Então, o Sol deixa, aparentemente de se
    movimentar para o sul, durante 3 dias.

    Nestes três dias, o Sol mora nas redondezas da Constelação do Cruzeiro
    do Sul. Depois deste período, em 25 de Dezembro, o Sol move-se 1 grau,
    desta vez para o norte, perspectivando dias maiores, calor e a
    Primavera. E assim se diz: que o Sol morreu na Cruz (cruzeiro) e
    ressussitou 3 dias depois.

    Como renasce nesta data (3 dias após 22 de Dezembro, que dá 25 Dezembro), no dia 25 de Dezembro, comemora-se o
    nascimento do sol no mundo, sendo que sua cruxificação comemora-se
    perto do festival pagão da pascoa, que é quando o sol vence a escuridão
    nos céus.

    Os antigos então, criaram personagens (nomes de pessoas que nunca
    existiram) para associá-los com a história do Sol nos céus, tendo eles
    mesmos os atributos do sol: crucificação, 12 discípulos (seguidores ou
    constelações ou feitos) e ressurreição terceiro dia depois.

    Estes eram chamados de Deus Sol, em Roma Sol invictus, alguns exemplos:
    Horus, Mitrhas, Osíris, Rá, Tammus, Baccus, Dionysius, Hércules, O
    Santo (da Chinna), Quetzalcóatl e por último Jesus o blasfemado de
    roma. Repare que na história de Hércules, ele faz "12 trabalhos" porque
    Hércules é o Deus sol que roda pelas 12 constelações.

    ==3- As várias cruzes encontradas no paganismo anterior ao cristianismo. ==


    ==4- Alguns redentores cruxificados==


    ==5- O Redentor pagão sempre esta no meio de outros dois.==


    ==6- Como e porque foi criado o termo pagão "Jesus" ==
    O termo Jesus só surgiu no século XV para XVI, porque antes não havia a
    letra J no alfabeto latino, antes da criação do J, Jesus usava-se o
    termo Iesus com I. Porém, o termo Iesus foi criado em Roma no século IV,
    para mascarar a identidade histórica de Yehushua e transformá-lo num
    Deus sol redentor.

    A falsa versão oficial ocidental romana, diz que o termo Jesus é de
    origem hebraica, porém trata-se de mais uma mentira a qual você pode
    anotar em seu caderninho. O nome Iesus foi criado a partir de parte do
    nome original (Yehushua) com
    o sufixo US em latim que esta presente no nome de todos os Deuses solares, compare:

    Jesus, Tammus, Zeus, Dionnisius, Baccus, Horus, Deus, e muitos outros.

    ==7- Cristianismo Romano é o própio mitrianismo com um novo nome.==
    Todos os ritos do cristianismo romano vem do paganismo astrológico, em
    especial do mitrianismo que era o sol invictus oficial antes do sol
    invictus cristão no século IV. O mitrianismo foi uma seita heretica do zoroastrismo e foi levada a Roma por soldados do império.

    Era uma religião de clero, onde o cargo máximo era chamado curiosamente
    em latim de Papa. Mitra é um Deus que existe a quase 5.000 anos, porém
    sua forma final como um Deus sol, surgiu dentre
    os anos 300 a.C a 200 a.C.

    Mitra significa em persa "contrato" porque ninguém é salvo senão por
    intermédio de Mitra. Os templos mitraicos eram chamado Mithraeum e o
    Mithraeum principal de Roma, a sede "mundial" do mitrianismo ficava
    exatamente onde hoje é o Vaticano.

    Mitra por ser um Deus sol, é nascido em 25 de dezembro e teve 12
    discípulos que são as 12 casas do zodiaco. Antes de sua morte, se você é
    cristão ou judaizante messianico, não se surpreenda; mais Mitra fez
    uma ultima seia com seus 12 discípulos e nela pediu que fosse comido o
    pão que era seu corpo e se bebesse o vinho que era seu sangue;

    Isto era a chamada seia mitraica muito famosa em Roma e mais tarde
    plagiada pelo cristianismo romano e judaismo messianico, esta seia é
    apenas uma representação do Sol no céu e as 12 constelações.

    Os seguidores do mitrianismo se reuniam principalmente em cavernas em Roma,
    longe da perseguição, este ato deu origem ao mito de que cristãos
    viviam em cavernas em Roma. E a verdade é que, o cristianismo romano e o
    judaismo messianico, estão roubando a historia do mitrianismo pagão
    para poderem depois roubar petróleo.

    Agora compare :

    ==8-As infantis refutações do cristianismo Romano.==
    Nas refutações do cristianismo romano, nem vale muito gastar-nos o
    nosso tempo com isto. Para manter seu culto pagão ao sol, eles tentam
    frustradamente colocar Jesus como vindo antes de horus, krisnah ou
    Mithra; num complexo absurdo histórico alterando 1000 anos de história,
    seria como dizer que o Brasil veio antes de portugual.

    Outra tática frustrada é negar que
    Horus tenha sido crucificado por exemplo, sendo que o crucificado é o
    sol; Horus, Mitrha, Yeshua hebraico e Jesus Cristo romano, e outros são
    representações do sol, portanto todos aparecem crucificados em muitos
    de seus contos.

    =9- Conclusão==
    " E era já quase a hora sexta, e houve trevas em toda a terra até à hora nona, escurecendo-se o sol;
    E rasgou-se ao meio o véu do templo. E, clamando Yeshua/Jesus com
    grande voz, disse: Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito. E, havendo
    dito isto, expirou." Lucas 23-46.


    O sol escurece quando Yeshua/Jesus morre porque Yeshua/Jesus é o Deus
    sol invictus e mais do que um mito, Yeshua/Jesus é Mithra, que é o
    mesmo Horus, que é o mesmo Tammus; com um novo nome e roupagem como se
    fazia com inúmeros Redentores pagãos do passado.

    O
    mesmo Deus trocava de nome de país para país, como Marduk que era Assus
    na Assiria e Zeus na Grécia. Esta guerra atual do Islam, é contra este
    mito pagão, é uma guerra de religiões, onde o Islam está ganhando e
    vai prevalecer contra a mitologia pagã ocidental, assassina de
    muçulmanos.
    __________________
    Fonte: http://myciw.org/index.php
    Karls Eduardo: O Missionario do Islam.
    Com algumas modificações pelo o Gideão da CCB.
    avatar
    Fco Oliveira
    Admin

    Mensagens : 1360
    Reputação : -1
    Data de inscrição : 13/07/2009
    Idade : 55
    Localização : Catanduva São Paulo

    http://gideoes-ccb.forumeiros.com

    Voltar ao Topo Ir em baixo

    Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

    - Tópicos similares

     
    Permissão deste fórum:
    Você não pode responder aos tópicos neste fórum